Santo André investe em TI e gera economia de R$ 5 milhões em iluminação pública

São Paulo, SP 24/3/2022 –

Projeto Banho de Luz da cidade de Santo André contou com investimentos no parque luminotécnico e permitiu economia de R$ 5 milhões por ano aos cofres públicos

A Prefeitura de Santo André está colhendo os resultados da implementação do Sistema de Gestão de Serviços IP (SGSIP) da Mitra, solução da vertical Cidades Inteligentes da multinacional Valid, para o monitoramento de seu parque de iluminação pública. Em uso desde 2014, o sistema desenvolvido sob medida para atender as necessidades de Santo André permitiu uma redução significativa de postes de iluminação apagados – de 6 mil para menos de 50 atualmente – e gerou uma redução de R$ 5 milhões ao ano em consumo de energia.

Com a Resolução Normativa ANEEL nº 414/2010, que transferiu para os municípios a administração do serviço de iluminação pública, possibilitou à Prefeitura de Santo André ser pioneira nas negociações com a concessionária que geria o serviço na época. Em 2013, foram adotadas algumas medidas e uma estratégia de aplicar o modelo misto de administração, assim a prefeitura passou a ter parte dos serviços contratados e uma parte razoável do serviço por administração direta, o que garantiu uma segurança muito grande. Dessa forma, foram retomados os investimentos em compra de equipamentos, contratação de pessoal e na qualificação técnica das equipes internas.

Segundo Vitor Mazzeti, Secretário de Manutenção e Serviços Urbanos de Santo André (SP), com o uso do sistema, as equipes da prefeitura podem fazer a gestão de todo o parque de iluminação, composto hoje por cerca de 53 mil pontos luminosos distribuídos por mais de 1,3 mil quilômetros de vias. “Isso permitiu que o tempo médio de reparo de uma lâmpada queimada caísse para apenas 19 horas e, para locais com mais de quatro lâmpadas com problemas, para o prazo máximo de 72 horas”, destaca Mazzeti.

A solução com IoT

O SGISP permite a detecção e registros de falhas e a gestão de serviços de manutenção com uso de um moderno sistema de telemonitoramento, além de um sistema web para registro de eventos através do Call Center, de redes sociais e de equipamentos móveis de uso pelas equipes de ronda. A partir dele, as falhas registradas tornam-se um importante instrumento de comunicação e gerenciamento das equipes de manutenção, que recebem as ordens de serviço on-line e registram os atendimentos realizados e os materiais utilizados.

Integrado à solução há um sistema de telegestão, presente em 12 mil pontos luminosos, que permite acompanhar todos os parâmetros e manipular os pontos onde o sistema está instalado. O uso dessa tecnologia e investimentos permite economia de 70% da capacidade no período da madrugada, garantindo a diminuição no consumo de energia elétrica.

Com esta composição, o sistema realiza automaticamente toda a gestão do parque luminotécnico da cidade. Para tanto, ele interage, recebe informações e cria ordens de serviços automaticamente por meio de Internet das Coisas (IoT), permitindo que a prefeitura realize uma gestão mais ágil e visualize todos os dados (pré-avaliados e sem inconsistências) por meio de painéis de monitoramento.

Chamados via App

Enquanto isso, o telemonitoramento dos 12 mil pontos acompanha todo o ciclo de vida do poste, com histórico de quando a lâmpada foi instalada, quanto tempo ela está funcionando, quais os problemas que teve, tais como corrente, interrupções, frequências imperfeitas, oscilações, entre outras.

Dependendo do tipo de problema, o sistema já direciona para setor responsável, que consegue abrir a ordem de serviço, encaminha para equipe de campo pelo app  e comunica o problema. Como resultado destes esforços, Santo André passou a gerar superávit para investir na melhoria da iluminação, com incrementos positivos na qualidade da luminosidade. As economias geradas permitirão financiar, com recursos próprios, o Plano de Metas do município, que prevê 100% de cobertura do projeto de modernização até o final de 2024.

Luciano Pezza Cintrão, diretor da Valid para Cidades Inteligentes, avalia que desta forma, a gestão consegue direcionar seus recursos e otimizar os trabalhos de melhorias e manutenção. Com o mapa de luminosidade gerado é possível ter uma visão global do município e saber com mais exatidão quais as regiões com iluminação mais prejudicada e focar os esforços nelas, evitando gastar com regiões menos prioritárias.

RFID

Um grande diferencial está no controle por RFID que permite fazer um acompanhamento do patrimônio da iluminação pública e acompanhar o histórico de cada item, sabendo, quando foi instalado, qual a vida útil que teve, quantas manutenções foram feitas ou se foi extraviado.

O executivo destaca que os maiores desafios para a utilização dessa tecnologia será o desenvolvimento de TAGs que consigam ser lidas em grandes distâncias, já que uma luminária pode estar a mais de 10 metros do solo, e consigam suportar intempéries como sol e chuva. Junto a isso as TAGs precisam possuir uma maneira rápida e fácil de fixação nos ativos.

“As TAGs utilizadas hoje já conseguem atingir essa demanda, tendo nos testes realizados em Santo André uma eficiência de leitura de mais de 95%. Mesmo assim, estão sendo feitos estudos para desenvolvimento de um novo modelo na Valid Sorocaba”, finaliza Cintrão.

Para Mazzeti, o conceito de cidades inteligentes só vai se concretizar se for pela iluminação pública já que é a única maneira pela qual o Poder Público consegue chegar mais próximo de cada cidadão. “Nosso objetivo é construir essa estrutura com o que há de mais moderno em soluções tecnológicas, pois estamos criando aos poucos uma infraestrutura na cidade que será ‘a propriedade da iluminação pública’ e, em um momento futuro poderá ser ofertada de alguma maneira em serviços e dados para todos os outros segmentos da administração pública sempre em prol da sociedade”.

Website: https://www.valid.com