Últimas Notícias

Qual a importância da ginástica laboral nas empresas?

O trabalho rotineiro pode levar a problemas de saúde dos funcionários devido a lesões por esforços repetitivos ou má postura, resultando em baixa produtividade e funcionários insatisfeitos. A ginástica laboral pode ser o método mais funcional e eficaz de evitar todos esses problemas em uma equipe.

A cada dia, este tipo de ginástica ganha mais popularidade nas empresas e no cotidiano dos funcionários. Na maior parte dos casos, a equipe de gestão de recursos humanos fica como responsável por inserir este costume nas empresas.

Então, vamos dar uma olhada e ver como isso pode impactar positivamente no dia a dia dos colaboradores na empresa? Continue lendo e descubra!

O que é ginástica laboral?

A ginástica laboral, como o nome sugere, é realizada em ambiente de trabalho, ou seja, no próprio local de trabalho ou em algum espaço físico da empresa.

A prática de exercícios no ambiente corporativo é tão importante que, até mesmo em cursos de gestão de pessoas e liderança ead, se é falado sobre a ginástica laboral e seus benefícios.

Esta ginástica é uma série de exercícios de curta duração com duração de 10 a 15 minutos que envolvem técnicas de alongamento e técnicas de respiração para a cabeça, tronco, extremidades superiores e inferiores.

Toda a percepção corporal é trabalhada ao longo dos exercícios, incluindo a reeducação postural e a compensação muscular.

Realizar ginástica no local de trabalho são exercícios de baixa intensidade, projetados para melhorar a saúde dos funcionários e trazer diversos benefícios no dia a dia da gestão de pessoas em startups. Além disso, funciona com:

  • Melhorar os sistemas cardíaco, respiratório e esquelético;
  • Reduzir a fadiga e a exaustão no final do dia;
  • Combater doenças profissionais, como LER, estresse e ansiedade;
  • Melhorar o foco e a concentração.

Profissionais de esportes e fisioterapia especializados nesse tipo de exercício vão ao escritório, contratados por empreendedores formados em gestão de recursos humanos presencial ou gestores de RH, no posto de trabalho de cada funcionário e ensinam os exercícios. 

Os instrutores buscam adequar os exercícios a cada tipo de público e ambiente, focando nas atividades que os funcionários realizam e como os movimentos podem ajudar.

Os exercícios são simples, baseados em alongamentos e podem ser feitos rapidamente para que você não fique entediado.

Geralmente, eles são realizados de forma simples, com períodos de descanso que variam de 7 a 7 10 minutos, podendo ser feitos todos os dias, duas ou até três vezes por semana.

A importância da ginástica

Nos últimos anos, a ginástica laboral vem ganhando cada vez mais espaço e importância no âmbito corporativo. Ela se torna crucial, principalmente quando o colaborador passa a maior parte do tempo sentado em frente ao computador.

De repente, ele começou a sentir dor nas costas e se moveu para um lado e mudou para o outro. Ele estava tentando se concentrar em continuar sua tarefa, pois precisava entregá-la o mais rápido possível.

A dor persistiu, ele perdeu o foco, perdeu o ritmo, perdeu o raciocínio e se sentiu deprimido. No final do dia de trabalho, ele foi para casa exausto.

Ainda não conseguiu dormir com dor. Ele voltou ao escritório no dia seguinte, cansado, ainda miserável e desanimado, e o processo recomeçou. Agora imagine, em uma escala maior, com mais frequência, qual seria o resultado?

Por mais que seja interessante os funcionários do RH se especializarem e procurarem por formações, como, por exemplo, curso tecnólogo de gestão de pessoas a distância, também é preciso investir em estratégias mais práticas.

Você pode pensar que o funcionário estará ausente em breve e procurará ajuda médica e receberá tratamento ou apenas descansará. Nesse ponto, o trabalhador já está insatisfeito e sua produtividade caiu, o que acabará levando à sua demissão.

Agora imagine se toda a sua equipe começasse a sentir dor e desconforto. Porque de alguma forma, todos estão no mesmo ambiente de trabalho e enfrentam os mesmos riscos ergonômicos.

Essas situações seriam catastróficas, muito prejudiciais ao desempenho geral do funcionário e, custariam à empresa. Embora os cenários apresentados sejam hipotéticos, eles ocorrem com frequência em empresas de todo o mundo.

Além disso, sua empresa tem uma responsabilidade com os funcionários que se esforçam muito no desenvolvimento do seu negócio. Por isso, a saúde ocupacional cresce conceitualmente dentre os responsáveis pela gestão empresarial.

Vale lembrar que, além de procurar por gestão de recursos humanos o que estuda, um bom empreendedor busca saber quais são as necessidades específicas de cada funcionário, principalmente para as que afetam o bem-estar. 

Conheça os principais tipos de ginástica

Os funcionários enfrentam naturalmente uma série de riscos ergonômicos em seu trabalho diário.

Ao incentivar essa prática, as empresas podem ajudar os funcionários a melhorar seu bem-estar. Conheça os diferentes tipos e estilos de ginástica laboral e seus benefícios!

1 – Ginástica preventiva

Ela tenta trabalhar em duas frentes: aeróbica e anaeróbica. O objetivo é melhorar a resistência cardiovascular e respiratória por meio de exercícios que aumentam a capacidade do corpo de transportar oxigênio e energia.

A ginástica preventiva também visa abordar questões de saúde relacionadas aos riscos inerentes às atividades laborais, aumentar a consciência corporal e melhorar a condição física, flexibilidade, coordenação e resistência.

2 – Ginástica corretiva

Neste caso, o objetivo é otimizar a ergonomia do trabalho, contrariando os efeitos negativos de determinadas atividades. Por exemplo, no trabalho pesado, o bíceps recebe mais trabalho do que o tríceps.

Com o tempo, os trabalhadores podem enfrentar muitas dores musculares e problemas nas articulações. Nesse caso, a ginástica corretiva buscará fortalecer o tríceps para neutralizar os efeitos da flexão do braço na articulação do cotovelo.

Além disso, outra atividade muito importante é alongar os músculos encurtados pela rotina do escritório.

Em algumas áreas, como, por exemplo, profissionais formados em curso de gestão de recursos humanos, passam muito tempo sentados e inativos, encurtando os músculos dos membros inferiores e fazendo ginástica corretiva cumprindo bem o papel.

A ginástica corretiva também ajuda a fortalecer as estruturas musculares forçadas pelas tarefas de trabalho, reduz dores e problemas articulares e previne doenças ocupacionais.

3 – Ginástica preparatória

A ginástica preparatória, como o nome sugere, é a preparação para o início da jornada de trabalho de um funcionário, ou seja, antes do início das atividades laborais.

Ele é projetado para alongar os músculos mais utilizados durante a jornada de trabalho, aumentar a circulação sanguínea e a disposição e capacidade de concentração.

Com isso, a ginástica preparatória recebe o título de “exercício de ativação”, pois auxilia no aquecimento muscular e acelera os batimentos cardíacos, auxiliando na produção energética. Também utiliza exercícios de resistência, flexibilidade e coordenação.

4 – Ginástica compensatória

Nessa modalidade, são estipulados horários de pausa entre as horas de trabalho, interrompendo os serviços repetitivos e, muitas vezes, monótonos. Há o incentivo para atividades que auxiliem a prevenir problemas na coluna.

Como o nome sugere, compensa o trabalho repetitivo, repara os músculos, corrige a postura inadequada e proporciona melhor caráter para o resto da jornada.

Seus exercícios incluem alongamento, postura e técnicas de respiração.

Quem pode praticar ginástica?

Todos podem praticar a ginástica laboral, independentemente de função, setor ou idade. Desde profissionais que trabalhar na linha de produção, até aqueles formados em gestão de pessoas ead e ficam em frente ao computador o dia todo.

Pode-se dizer que, a ginástica laboral é principalmente recomendada para aqueles que realizam tarefas que exigem muito esforço físico ou mental, com ações repetitivas, que manuseiam objetos pesados ou que envolvem atividades que resultem em postura incorreta ou não ergonômica.

Os benefícios da ginástica

Os benefícios são muitos, mas podemos citar a principal prevenção de problemas musculoesqueléticos como dores nas costas, cintura, punho e braço.

Além disso, existem funções de fortalecimento muscular que permitem aos trabalhadores manter a postura correta. A ginástica laboral também pode minimizar o estresse e melhorar a integração da equipe.

Confira mais benefícios:

1 – Melhorar a Qualidade de Vida no Trabalho (QVT)

O exercício libera substâncias chamadas endorfinas — conhecidas como neurotransmissores do bem-estar. Reduz os níveis de estresse e desencadeia pensamentos positivos que melhoram a qualidade de vida no trabalho.

2 – Otimize o trabalho e o descanso dos trabalhadores

Uma vida sedentária tem efeitos brutais sobre os seres humanos. O corpo perde resistência muscular ao longo do tempo, por isso mesmo uma tarefa simples como pegar um documento pode se tornar muito cansativa.

3 – Reduz a fadiga e a exaustão no final do dia

Muitas pessoas associam a atividade física à fadiga, portanto, evitam-nas. No entanto, isso só acontece no início. Depois de um tempo, o efeito é revertido: seu corpo armazena cada vez mais energia e o esgotamento raramente ocorre.

4 – Diminui o risco de acidentes de trabalho

A ginástica laboral também tem efeitos importantes na atenção e no sistema neuromotor.

Portanto, o exercício pode reduzir acidentes causados ​​por desequilíbrios, lesões por esforços repetitivos de articulações individuais e cargas concentradas em um lado do corpo.

5 – Melhora na produtividade e o desempenho

Todas essas vantagens se combinam para aumentar a produtividade e o desempenho, pois você sempre terá uma equipe completa e motivada. Além disso, o exercício combate uma grande barreira à produtividade, o estresse.

Conteúdo originalmente desenvolvido pela equipe do blog Top News Tech, site voltado para a veiculação de conteúdos relevantes para empresas, contribuindo com estratégias para o desenvolvimento do negócio.