Publicidade FENICS 2108 - RESERVE JÁ,JÁ, SEU STAND!  

PUBLICIDADE

COPASA - MONTES CLAROS
Inicio » Economia » Empresas brasileiras reduzem investimento na Argentina

Empresas brasileiras reduzem investimento na Argentina

A crise da Argentina diminuiu o ânimo das empresas do Brasil para investir no país vizinho. Nos primeiros seis meses de 2014, os dados do Banco Central revelaram que a saída de investimentos diretos brasileiros para a economia argentina foi de US$ 64 milhões, abaixo dos US$ 247 milhões investidos entre janeiro e junho do ano passado.

A queda dos investimentos brasileiros pode ser explicada por dois grandes motivos: a economia argentina está em recessão e o país não chegou a um acordo com os credores internacionais – chamados pelo governo de fundos abutres – que não aceitaram a renegociação das dívidas feitas em 2005 e 2010.

Investimentos brasileiros para a economia argentina foi abaixo dos US$ 247 milhões investidos entre janeiro e junho do ano passado
Investimentos brasileiros para a economia argentina foi abaixo dos US$ 247 milhões investidos entre janeiro e junho do ano passado

“Um investimento para ser feito tem de ter previsibilidade de fluxo de caixa e um risco aceitável”, afirma Rodrigo Zeidan, professor de economia e finanças da Fundação Dom Cabral (FDC). “Hoje, os investimentos que estão sendo feitos são aqueles com possibilidade de ganho muito grande que compensam o risco da economia local.”

Embora o investimento brasileiro tenha apresentado queda na Argentina em 2014, a vida das multinacionais já vem sendo dificultada pelo governo local nos últimos anos. Em 2013, a mineradora Vale suspendeu um investimento de US$ 6 bilhões na Província de Mendoza, onde havia começado a explorar potássio na área de Malargue. Na época, era considerado o maior investimento privado do país e previa a construção de ferrovias e ampliação de portos. 

A empresa de louças e metais sanitários Deca também decidiu deixar o país vizinho no ano passado. Na saída, a companhia alegou dificuldades “em suas operações na Argentina, apesar de ter realizado esforços vigorosos para preservar sua competitividade na região.” 

“A situação para o investimento estrangeiro está complicada desde 2012”, afirma Mauricio Claveri, coordenador de análise de comércio exterior e negociação internacional da consultoria argentina Abeceb. “Houve uma queda muito grande, principalmente, por conta do cerco cambial, que deixou mais difícil para as empresas repatriarem o lucro”, diz Claveri.

ADAPTAÇÃO – As brasileiras que permaneceram na Argentina tiveram de fazer mudanças para enfrentar a nova realidade. A Alpargatas – empresa do grupo Camargo Corrêa – fez uma reestruturação antes da atual crise. A companhia ajustou os processos industriais, mudou o line up de produtos e fez uma redução de pessoas. “A empresa ficou mais enxuta e leve. Fomos fazendo isso ao longo do tempo. Estamos no tamanho certo”, diz Márcio Utsch, presidente da Alpargatas.

No segundo trimestre, a venda de calçados esportivos na Argentina foi de 1,535 milhão de pares, um aumento de 5,6% em relação ao mesmo período do ano passado.

Pela lógica, a economia da Argentina deve seguir pouco atrativa para as empresas brasileiras. O crescimento continuará baixo e há outros países da América Latina com fundamentos macroeconômicos mais saudáveis e que podem atrair investimento. “A questão política na Argentina ainda acaba dominando a economia. E curiosamente essa crise parece ter elevado o nacionalismo, e isso favorece um futuro governo que tenha a mesma linha da Cristina Kirchner”, afirma Luís Afonso Lima, presidente da Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais e Globalização Econômica (Sobeet). “Se isso se concretizar, o mercado não deve abrir linhas de crédito ao menos no médio prazo.”

Leia Também

Carreta Brahma chega ao norte de Minas para animar galera antes da Expomontes

Carreta Brahma chega ao norte de Minas para animar galera antes da Expomontes

* Por: Jornal Montes Claros - 20 de junho de 2018. Carreta Brahma chega ao …

Aviso: Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas. O espaço de comentários em nossos artigos é destinado a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não às pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou email válido).