Inicio » Política » Eleições 2018 » Eleições 2014 – Em 3º nas pesquisas, Aécio pede ‘ajuda’ ao Padre Cícero

Eleições 2014 – Em 3º nas pesquisas, Aécio pede ‘ajuda’ ao Padre Cícero

Em terceiro lugar nas pesquisas, o candidato do PSDB à presidência, Aécio Neves, apelou à fé sertaneja na esperança de uma “virada” na reta final da campanha. Em visita ao Centro de Tradições Nordestinas Luiz Gonzaga, na zona norte do Rio, o candidato pediu “ajuda” ao Padre Cícero (1844-1934), religioso venerado em todo o sertão nordestino pelos supostos milagres que teria realizado. “À bênção meu padre Cícero, me ajuda aí”, disse Aécio, arrancando risos de aliados e assessores que o acompanhavam.

Candidato pediu "ajuda" ao Padre Cícero (1844-1934), religioso venerado em todo o sertão nordestino
Candidato pediu “ajuda” ao Padre Cícero (1844-1934), religioso venerado em todo o sertão nordestino

Neste domingo (21), na passagem pela Feira de São Cristóvão, como é conhecido o espaço de artesanato, gastronomia e cultura nordestina no Rio, o presidenciável ganhou uma estátua do líder católico mais reverenciado da região,. Prometeu, se eleito, resgatar a história do religioso e trabalhar por sua beatificação.

Talvez a santa ajuda seja mesmo necessária. No Nordeste, Aécio tem seu pior desempenho em todo o País, amargando 8% da preferência do eleitorado, segundo o último levantamento do Datafolha. Para evitar uma rejeição ainda maior entre os nordestinos, onde o PT venceu em 2002, 2006 e 2010, o candidato transformou a visita de duas horas à feira em uma imersão na cultura regional. 

Aécio comeu queijo coalho no palito e almoçou baião de dois com carne do sol. Não dispensou o tradicional chapéu de cangaceiro e ainda posou para fotos ao lado da estátua do cantor e compositor Luiz Gonzaga. Depois prometeu aumentar em quatro vezes as verbas para a cultura, valorizando as manifestações tradicionais nordestinas. O candidato também circulou pelas lojas de artesanato, roupas e de músicas regionais, mas não arriscou passos de forró.

REPENTE – Ao ser anunciado por repentistas, foi alvo de tímidas vaias, logo abafadas por aplausos e gritos de “Aécio Presidente”, puxado por correligionários. À vontade com o improviso, arranhou ao lado de uma dupla de sanfoneiros versos de um repente. “Hoje eu não vou falar, hoje eu vou cantar! Chego sem medo/ porque sigo a trilha do velho avô Tancredo”, cantou, desafinado. 

Na passagem por uma livraria de cordel, recebeu um exemplar contando em versos a trajetória do avô. A visita do tucano pelas vias estreitas da feira causou tumulto e empurrões. Alguns visitantes olhavam curiosos para a comitiva sem reconhecer o candidato.

“É o Fagner e um político”, disse uma senhora, acenando para o cantor e compositor cearense Raimundo Fagner, padrinho da Feira e anfitrião da visita.

Alguns eleitores adversários não se furtaram à oportunidade de alfinetar o candidato: “E o aeroporto, Aécio?”, gritou uma mulher que distribuía adesivos de um candidato a deputado federal do PT. O candidato desviou o olhar e os acenos, e seguiu adiante, impassível. 

Do palco, um locutor exaltava a presença do “único candidato que veio à feira dos nordestinos” ao mesmo tempo em que pedia ao candidato que “governasse para os mais pobres”. Cercado por câmeras e aliados, Aécio acenou de longe, já com passos apressados em direção à saída. Quase não deu tempo para ouvir o locutor completar: “É o futuro presidente do Brasil”.

Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeitosas e construtivas. O espaços abaixo são destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e e-mail valido).