Últimas Notícias
POS ON-LINE PUC MINAS

Começa o Australian Open, com a presença de 2 brasileiros

Começa o Australian Open, com a presença de 2 brasileiros

Os brasileiros Thomaz Bellucci e João Souza serão os representantes brasileiros no Australian Open 2015. O torneio – que faz parte do circuito conhecido como Grand Slam, que reune os 4 mais importantes eventos do tênis mundial – começa nesta segunda feira e vai até o dia 1 de fevereiro, reunindo os melhores tenistas do planeta.

Depois da aposentadoria de Gustavo Kuerten, tornou-se mais fácil acertar os números da mega sena do que ver um brasileiro levantar um troféu em um campeonato como este, infelizmente. Guga venceu 3 vezes o torneio equivalente, realizado na França: Rolland Garros. No momento, o Brasil não tem chances de vencer, mas não faltam ídolos para os fãs do esporte da bolinha amarela.

Começa o Australian Open, com a presença de 2 brasileiros

Os principais favoritos, este ano, são os quatro melhores atletas da atualidade: o sérvio Novak Djokovic, o espanhol Rafael Nadal, o suiço Roger Federer e o britânico Andy Murray. Mas alguns intrusos já se aproximam ao Olímpo do tênis e começam a ameaçar a hegemonia dos 4 fantásticos.

O também suiço Stanislas Wawrinka foi o vencedor na edição passada, em Melbourne, e vem com a faca nos dentes em busca de um bicampeonato. O japonês Kei Nishikori, vice campeão do US Open no ano passado, busca um lugar ao sol e tentará atingir sua segunda final de um Major consecutiva.

Além deles, correm por fora o espanhol David Ferrer, o búlgaro Grigor Dimitrov – que namora a linda e super campeã no feminino, Maria Sharapova – ou até mesmo o letão Ernest Gulbis, mais conhecido pelas farras fora das quadras do que pelo empenho em campeonatos de alto nível.

Dois grande concorrentes pularam fora da disputa, antes de seu início: o croata Marin Cilic e o argentino Juan Martin Del Potro. O primeiro foi o vencedor do último torneio de Grand Slam da temporada passada, o US Open. Já o hermano, vem sofrendo com sucessivas contusões nos pulsos, que já o levaram às cirurgias em duas ocasoiões consecutivas, o impedindo de repetir o feito de 2009, quando também venceu em Nova Iorque.