FENICS 2019 - ACI

Inicio » Colunistas » Hesiodo José » Coluna do Hesiodo José – Fragmentos Diários (aumento e também invento)

Coluna do Hesiodo José – Fragmentos Diários (aumento e também invento)

Coluna do Hesiodo José – Fragmentos Diários (aumento e também invento)

A Lei do Retorno (Homofóbico Gay)

 O fato é sério cabuloso e perceptivelmente hilário, mais uma vez vem lá de Capitão Enéas esta perola da crônica do disparate, segundo as páginas de o “Burarama News” que fez uma matéria especial de duas páginas incluindo a capa, por serem adversários político do Coronel. Preste atenção para entender, o senhor Modesto Anfilófio de 58  anos  é pai de 03 filhas mulheres como ele gosta de dizer e  de 04 filhos homens. Este reforço em dizer o gênero é por se tratar de um dos maiores homofóbicos de Minas Gerais, do país e entre os dez mais do mundo. O velho se orgulha de se parecer com o Saruê do “Velho Chico” “Escreveu e não leu o pau comeu”, bem, a Marcela filha caçula de 18 anos namora escondido uma garota de São João da Ponte chamada Katiucia. E através de um detetive particular ele descobriu, contratou um pistoleiro para matar as duas quando houvesse flagrante, mas o pistoleiro era um pé-de-cana sem cura e bebia a ponto de não chegar a tempo nos compromissos, até que certo dia, família reunida na sala de computadores ele veio para saber da filha que estava ao lado da “amiga” o que significava algumas fotos que trazia a mão, eram cenas apaixonadas sem álibis para fugas. Ela não conseguiu negar, mas conseguiu correr porta a fora junto da namorada. Ali ficaram os outros acalmando os ânimos, saindo um por um deixaram o velho homofóbico com um genro policial corrupto, o seu predileto, o genro abriu o computador e foi nos sites de pornografia mostrar ao seu sogro o que a mulher do cantor Belo tinha abaixo daquelas roupas apertadas, mostrou a atriz da ex-novela das 08, mostrou a filha de Zezé de Camargo e Luciano e a Setentona Rita Cadillac em seus momentos íntimos. O velho até se esqueceu das brigas e pediu para ficar sozinho e dar uma animada na “Pomba Dorminhoca” assim foi concedido. Quando estava só Anfilófio resolveu procurar outras coisas e clicou em um quadrinho que surgiu na tela, era um pornô gay indagando se queria ser aberto, ele estava todo a vontade a lapa mole da pingola estava fora do zíper, ele clicou apareceu um sujeito musculoso se masturbando, mais um clique e varias outras janelas foram surgindo, homens brasileiros, japoneses, chineses, Coreanos, Franceses e Africanos, penis de todos os tamanhos, calibres e cores, ele se preocupou, suando muito se esqueceu que a pingola estava fora da calça. Apertava tudo quanto era botão e teclas para desligar o computador, mas só adicionava mais pornografia gay. Quando surgiu um vídeo de um jovem rapaz enrabando um senhor da sua idade, ele achou o cumulo da falta de respeito, de amor de tradição de vergonha agachou sob a estante em que estava o aparelho para desligar a tomada, viu um botão vermelho e apertou convicto do fim daquele pesadelo, mas havia acionado o som e agora tinha imagens e sons com alta definição em português. Lá fora o genro conversava com a cunhada e a namorada dela, informando que o velho estava pronto para uma conversa civilizada, pois fazia uma coisa que gostava muito e com certeza há muito não praticava. Para a reunião dos três acrescentou-se a matriarca Doraldina Manoela, que estava acompanhada do filho mais velho. Em consenso resolveram todos entrarem juntos para a defesa do amor de Marcela e Katiuscia. Ainda na sofreguidão o velho estava lavado de suor, o ódio da cena o fazia perder a noção de tudo, cada estocada que o ator tomava no traseiro ele dirigia uma palavra de mau agouro. O chapéu estava no chão à camisa desabotoada e a pingola de cabeça para baixo sacudindo fora do zíper. Quando a porta foi aberta a cena de sexo estava sendo concluída, o garoto ejaculava na cara do velho que lambia com esmero de olho na câmera, Os olhos perplexos dos que chegavam paralisaram de olho na grande tela.

Riso da Hora

Manuel está tomando banho, e grita para Maria:
– Ô Maria, me traz um xampu. E Maria lhe entrega o xampu. Logo em seguida, ele grita novamente: – Ô Maria, me traz outro xampu.
– Mas eu já te dei um agorinha mesmo, homem!
– É que aqui está dizendo que é para cabelos secos, e eu já molhei os meus.

Fica assim, amanhã tem mais…

Por Hesiodo José

Hesiodo José
Hesiodo José

 

Aviso: Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.Os espaços de comentários em nossos artigos são destinados a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou e-mail válido)



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *