Inicio » Economia » Dólar sobe acima de R$ 3,30 com cautela sobre reforma da Previdência

Dólar sobe acima de R$ 3,30 com cautela sobre reforma da Previdência

Dólar sobe acima de R$ 3,30 com cautela sobre reforma da Previdência

O dólar segue volátil e com oscilações entre margens estreitas uma vez que está sendo negociado acima do patamar de R$ 3,30 – que reflete preocupações de que a reforma da Previdência possa ser deixada para mais adiante na Câmara. Na manhã desta terça-feira, 12, a moeda norte-americana exibia leves altas, após exibir sinais mistos mais cedo em meio a ajustes em relação ao fechamento anterior de, R$ 3,2999 no mercado à vista e de R$ 3,3115 no contrato futuro de janeiro.

Variação reflete expectativa na política
Variação reflete expectativa na política

 

Além da incerteza local com a reforma, os agentes de câmbio observam os sinais mistos do dólar no exterior ante divisas principais e emergentes e ligadas a commodities. Lá fora, estão no radar a alta do petróleo e a possibilidade de um terceiro aumento de juros pelo Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), em sua última reunião de política monetária do ano, que começa nesta terça e termina na quarta-feira

Também é monitorada a alta dos juros longos, na esteira da ata do Comitê de Política Monetária (Copom) divulgada mais cedo. No documento, o Banco Central menciona preocupação com a reforma da Previdência.

Entre os riscos destacados pelo BC está a frustração das expectativas sobre a continuidade das reformas. Na prática, a instituição observa com atenção o andamento da reforma da Previdência no Congresso. A instituição repetiu ainda, na ata desta terça, que “para frente, o Comitê entende que o atual estágio do ciclo (de cortes da Selic) recomenda cautela na condução da política monetária”. Neste caso, a sinalização é de que, após fevereiro, a instituição estará mais cautelosa e pode, na prática, não movimentar a Selic.

O BC diz que “a flexibilização na próxima reunião parece adequada sob a perspectiva atual. Mas avaliaram que cabia advertir que essa visão é mais suscetível a mudanças na evolução do cenário e seus riscos que nas reuniões anteriores”. Na semana passada, o Comitê de Política Monetária (Copom) cortou a taxa Selic de 7,50% para 7,00% ao ano, o menor patamar da história.

Às 9h59, o dólar à vista subia 0,23%, aos R$ 3,3070, após registrar mínima em R$ 3,2985 (-0,04%) e máxima, aos R$ 3,3090 (+0,28%). O dólar futuro de janeiro estava em alta de 0,05%, aos R$ 3,3130, depois de bater mínima aos R$ 3,3040 (-0,23%) e máxima, aos R$ 3,3150 (+0,11%).

A diferença de sinais do dólar à vista em relação ao dólar futuro reflete ajustes ao fechamento anterior de, respectivamente, R$ 3,2999 e R$ 3,3115.

Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeitosas e construtivas. O espaços abaixo são destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e e-mail valido).



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *