SMART FIT - MONTES CLAROS

Turbo Pesquisa - CLIQUE AQUI PARA MIAS INFORMAÇÕES
Inicio » Colunistas » Victor Aragão » Coluna Meio Ambiente em Foco de Victor Aragão – Efeitos esperados sobre o aquecimento global para 2030

Coluna Meio Ambiente em Foco de Victor Aragão – Efeitos esperados sobre o aquecimento global para 2030

Coluna Meio Ambiente em Foco de Victor Aragão – Efeitos esperados sobre o aquecimento global para 2030

Relatou a pesquisadora Debra Roberts, os anos seguintes “serão provavelmente os mais importantes na história” da humanidade, visto que o “simples” aumento de 1,5° C está previsto para os próximos 11 anos, e sim, ele poderá ser essencialmente catastrófico.

Coluna Meio Ambiente em Foco de Victor Aragão – Efeitos esperados sobre o aquecimento global para 2030

 

Não é novidade para ninguém, o planeta não parece o mesmo dos anos anteriores, e assustadoramente, ele tem se mostrado mais devastador e implacável. Pode-se já observar, principalmente na mídia, as intensas precipitações nas quais têm sido severas em todos os países, desde os localizados em zonas mais temperadas às tropicais.

O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) da ONU, em todas as suas formas de alertas, está elucidando os graves efeitos que o mundo pode vir a sofrer caso a temperatura global aumenta por mais 1,5° C. Dentre os maiores problemas, estima-se calores em extremo, a precipitação de chuvas mais torrenciais e a probabilidade de secas mais castigadoras.

Além disto, autoridades norte-americanas e parisienses têm voltados suas atenções para os fenômenos como os ciclones e furacões, que notavelmente, virão não somente sob uma intensidade maior, mas em períodos ainda mais curtos.

Para Hoesung Lee, presidente do IPCC, “manter o aquecimento global em um nível inferior a 1,5°C […] será muito difícil, mas não é impossível”. Ambientalistas têm se manifestado sobre as notícias que têm tomado conta dos canais de mídia, e também alertam que se antes as informações eram de assustar, agora é que a sociedade precisa se preocupar.

Para Hans-Otto Pörtner, copresidente do grupo de trabalho II do IPCC, a elevação da temperatura, mesmo que pareça em mínimas taxas, é de se considerar, “principalmente porque o aquecimento de 1,5°C ou mais aumenta os riscos associados com mudanças de longo prazo e irreversíveis, como a perda de alguns ecossistemas”.

 

Victor Aragão
Victor Aragão

Aviso

  • Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.
  • Os espaços de comentários em nossos artigos são destinados a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou e-mail válido)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *