FENICS 2019 - ACI

Obtenha mais clientes com a sua ficha do Google

Inicio » Mais Seções » Curiosidades » Chow Chow: saiba tudo sobre o “cão leãozinho”

Chow Chow: saiba tudo sobre o “cão leãozinho”

Chow Chow: saiba tudo sobre o “cão leãozinho”

O Chow Chow é um cão com um enorme séquito de fãs. E isso não é por acaso: este pet, além de ser muito bonito, possui enorme imponência, inteligência e boa expectativa de vida.

Chow Chow: saiba tudo sobre o "cão leãozinho"

Neste artigo, falaremos um pouco mais sobre as característica desta raça e sobre os cuidados específicos que devem ser tomados com estes animais. Se você está pensando em adquirir este pet ou já possui um, mas gostaria de entendê-lo melhor, este texto foi feito para você. Confira.

De onde veio o Chow Chow?

Esta raça remonta à região da Mongólia, na Ásia. Pesquisas e a análise de materiais históricos, como vasos e objetos decorativos, sugerem que o Chow Chow era predileção de nobres.

Há quem diga, na verdade, que o Chow Chow era o preferido dos imperadores chineses. Por conta de seu porte e pela sua capacidade de defender espaços, este pet era utilizado como cão de guarda.

A predileção pela raça no ocidente se deu por conta do interesse britânico no Chow Chow, em meados do século XIX. Nesta época, os cães eram vistos como animais diferentes, quase selvagens e, inicialmente, foram tratados com cautela e estranheza.

Quase no início do século XX, no entanto, o pet conquistou o seu espaço como guardião da casa – e amigo dos moradores.

Como estes animais costumam se comportar?

O temperamento dos indivíduos desta raça pode variar de acordo com a socialização, com o local onde o pet está inserido e com razões de personalidade, claro.

Ainda assim, as características gerais da raça envolvem territorialidade, ou seja, é um bom animal para quem quer uma segurança a mais na casa, lealdade ao dono e certa calmaria. Não é incomum que o Chow Chow fique bastante tempo sozinho, em um ou mais locais fixos, de sua preferência.

É um bom animal para quem tem o costume de ficar longe de casa, que trabalha durante boa parte do dia ou que mora só.

Ainda assim, é um pet que exige atenção, cuidado e alimentação específica. Para que não se torne agressivo ou anti-social, deve ser levado para passear com certa frequência e conviver com outras pessoas e animais desde o nascimento (e após a vacinação).

Quais são os cuidados necessários?

Além de investir em vacinas e em check-ups periódicos, o dono de um Chow Chow deve se preocupar em avaliar o estado de sua pelagem com certa frequência.

Por ser um animal com pelos grandes e densos, este cão deve ser escovado com regularidade. O ideal é que isto aconteça pelo menos duas ou três vezes na semana, para que o pelo antigo seja removido e para que não haja embaraçamento e nós dolorosos.

Levar o cachorro para passear também é importante, mesmo que ele esteja acostumado a fazer as suas necessidades em casa. Isto acontece não apenas pela questão da socialização, mas para garantir que ele faça exercícios e fuja da possibilidade de sobrepeso e doenças.

O Chow Chow exige cuidados também por conta de sua grande sensibilidade a problemas na região dos olhos. Lavar a região com produtos específicos, como água boricada, pode ajudar a prevenir inflamações.

No que tange a parte da alimentação, é sempre importante investir em ração de boa qualidade, com grandes quantidades de nutrientes e procedência adequada.

Um veterinário de sua confiança poderá indicar a comida mais adequada para o seu pet, assim como as porções que devem ser oferecidas diariamente.

Problemas de saúde mais comuns

Animais desta raça também podem apresentar dermatites e problemas com fungos. Estas situações podem ser difíceis de serem constatadas por conta da pelagem espessa do pet. Mais uma razão para investigar coceiras atípicas, incômodos físicos e secreções mal cheirosas, caso ocorram.

A displasia coxofemoral, também conhecida como displasia de anca, pode atingir a indivíduos deste tipo. A displasia leva a instabilidade na articulação coxofemoral, localizada no local que liga o fêmur à coxa, e gerar dores, dificuldade de locomoção e, com o tempo, paraplegia.

Para evitar que o seu pet sofra com diversas enfermidades, vale sempre estar atento aos seus sinais e sempre pronto para levá-lo a um médico responsável.

Quando se cuida de um animal de estimação com certo grau de cautela, aumenta-se a expectativa de vida, prolonga-se o tempo de felicidade e permite-se que o pet desfrute de muitos anos de tranquilidade e bem-estar.

Aviso: Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.Os espaços de comentários em nossos artigos são destinados a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou e-mail válido)



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *