FENICS 2019 - ACI

Inicio » Colunistas » Victor Aragão » Coluna Meio Ambiente em Foco de Victor Aragão – Reflexões teóricas sobre a História do Ambiente

Coluna Meio Ambiente em Foco de Victor Aragão – Reflexões teóricas sobre a História do Ambiente

Coluna Meio Ambiente em Foco de Victor Aragão – Reflexões teóricas sobre a História do Ambiente

Pádua (2002) fundamenta três transcendências teóricas relevantes à História do Ambiente e da vida de modo universal, sendo elas: o homem tomou consciência do meio ambiente como elemento histórico e que esse passou por contínuos aspectos formadores e reconstrutivos; o ser humano é ao mesmo tempo, causador e alvo dos impactos ambientais, tendo em vista a lei de ação e reação; e por fim, as ciências vieram a considerar o avanço do tempo cronológico da Terra, reconhecendo sua existência por aproximados 4,543 bilhões de anos.

Para a respeitada historiadora brasileira Sedrez (2017), a História Ambiental tem a ver com todas as dinâmicas que os diferentes ambientes têm a oferecer ao indivíduo, nas quais decorreram com o tempo, sendo a longo, médio ou curto prazo.

Retornando às linhas de pensamento de Sedrez (2017), a História Ambiental vem para configurar a História do Homem como um panorama além, ou como a pesquisadora se refere: numa importância, em algo maior. Segundo ela, a Erupção do Vesúvio em 79 (na qual alastrou cidades romanas como Pompeia, Herculano, Oplontis e Estábia), o tempo dos Furacões de Cuba do Século XVIII e o marco das Grandes Fomes e Pestes na Europa se enquadram no campo da História Ambiental.

Martinez (2010) traz em seus estudos que a Historiografia esteve sob uma tensa crise após a Guerra Fria, tendo percorrido até a década de 90. Nesse intervalo de tempo, os historiadores não compreendiam a maneira como se poderia transmitir a História como campo científico, principalmente quando as linhas se convergiram na tentativa de expor as influências da tecnologia sobre a sociedade.

Esse conflito foi também nomeado de Crise dos Paradigmas das Ciências Sociais, onde ainda nos horizontes do Doutor em História Social (MARTINEZ, 2010, P. 24), a Historiografia “em particular, concentrou atenções e esforços de reflexão teórica, sobre as práticas historiográficas, indagações sobre fontes e acervos documentais, incorporação de recursos técnicos novos e interlocução com as demais disciplinas científicas”.

Foi, então, em meio a essa circunstância de reforma que a História Ambiental iniciou seu fortalecimento, abrangendo e se disseminando pelos inúmeros campos do conhecimento.

Para Martinez (2010), esse âmbito específico-científico tem como base indiscutível os acontecimentos do século XXI, sobretudo no que diz respeito ao aparecimento e desenvolvimento dos problemas dos ambientes, sejam eles naturais e artificiais.

Vale repetir que, de fato, ideias sobre os ambientes já existiam há muito tempo, e que a História do Ambiente também, questão é que um novo marco, pode-se dizer assim, foi atingido com os atuais impactos ambientais.

Tendo o ponto de vista de Winiwarter (2010), a relação entre a História e o ambiente pode ser considerada cíclica, mediante as perspectivas naturais.

 

Victor Aragão
Victor Aragão

Aviso: Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.Os espaços de comentários em nossos artigos são destinados a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou e-mail válido)



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *