PÓS-GRADUAÇÃO PUC MINHAS em MONTES CLAROS

Obtenha mais clientes com a sua ficha do Google
Inicio » Minas Gerais » Belo Horizonte » MG – 44 pessoas estão doentes com suspeita de febre maculosa em MG

MG – 44 pessoas estão doentes com suspeita de febre maculosa em MG

MG – 44 pessoas estão doentes com suspeita de febre maculosa em MG

MG – Sobe para 44 o número de notificações de casos suspeitos de febre maculosa em Contagem, na Grande Belo Horizonte. Desse total, cinco casos tiveram confirmação para a doença. Exames laboratoriais também mostraram que as quatro mortes registradas são decorrentes de febre maculosa. Os dados foram divulgados pela Prefeitura de Contagem nesta terça-feira (11). 

MG - 44 pessoas estão doentes com suspeita de febre maculosa em MG
MG – 44 pessoas estão doentes com suspeita de febre maculosa em MG

 

As notificações são feitas no momento em que o paciente chega para atendimento nos centros de saúde e o médico percebe os sintomas compatíveis com a doença. A partir daí, é realizada coleta do sangue do paciente, que segue para análise laboratorial. O paciente também já começa a receber o tratamento no momento em que o médico suspeita da doença.

No Estado, os dados mais recentes da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) mostram que, neste ano, houve seis mortes por febre maculosa. Além das quatro em Contagem, uma pessoa morreu na cidade de Faria Lemos, na Zona da Mata, e outra em Raul Soares, na mesma região. Houve um caso confirmado em Faria Lemos e outro em Governador Valadares, no Vale do Rio Doce, sem mortes.

A Prefeitura de Belo Horizonte foi procurada e enviará os dados da capital ainda nesta terça-feira.

Cavalos não são inimigos

Nessa segunda-feira (10), passaram a funcionar dois postos que ofertam banhos de carrapaticidas a cavalos de carroceiros de 90 bairros de Contagem. O banho evita a proliferação do carrapato e deve ser tomado a cada 15 dias.

De acordo com a prefeitura, a população precisa entender que não se deve hostilizar carroceiros ou maltratar animais. Veja trecho da nota divulgada pela administração pública:

“Os cavalos são importantes para que não haja infestação de carrapatos. O banho de carrapaticida elimina os parasitas. O carrapato-estrela adquire a bactéria, causadora da febre maculosa, apenas de capivaras. Cavalos, cães, gatos e aves são hospedeiros do parasita e não amplificadores da doença”, afirmou.

Orientações

Pessoas que moram perto de áreas com possibilidade de existência do carrapato-estrela devem examinar o corpo a cada três horas, usar roupas claras e compridas, colocar barras da calça para dentro da meia e usar sapatos fechados. Outras orientações, são:

– Se encontrar um carrapato no corpo, o recomendável é utilizar uma pinça e retirar o parasita pelo bico.  Apertar o animal com os dedos pode fazer com que o sangue caia na corrente sanguínea do ser humano;

– Outro alerta da prefeitura é de que as pessoas não matem as capivaras. O carrapato-estrela é hospedeiro de animais que estão com sangue quente. Quando um animal morre, o carrapato procura outro ser vivo para se alimentar e o perigo pode se espalhar ainda mais;

– O abandono de animais em outras regiões também pode fazer com que a doença se espalhe. A responsabilidade pela higienização é dos donos.

Tratamento precoce é essencial

Ao primeiro sinal da doença, a orientação é procurar atendimento médico imediatamente, já que o tratamento precoce é essencial para evitar formas mais graves da febre maculosa e até mesmo a morte, segundo o Ministério da Saúde. Veja abaixo alguns sintomas:

– Febre acima de 39ºC e calafrios, de início súbito;
– Dor de cabeça intensa;
– Náuseas e vômitos;
– Diarreia e dor abdominal;
– Dor muscular constante;
– Inchaço e vermelhidão nas palmas das mãos e sola dos pés;
– Gangrena nos dedos e orelhas;
– Paralisia dos membros que inicia nas pernas e vai subindo até os pulmões causando parada respiratória;
– Além disso, com a evolução da febre maculosa é comum o aparecimento de manchas vermelhas nos pulsos e tornozelos, que não coçam, mas que podem aumentar em direção às palmas das mãos, braços ou solas dos pés.

Aviso: Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.Os espaços de comentários em nossos artigos são destinados a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou e-mail válido)



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *