Vaga no Bolso

Turbo Pesquisa - CLIQUE AQUI PARA MIAS INFORMAÇÕES
Inicio » Colunistas » Adilson Cardoso » Coluna do Adilson Cardoso – Cenas Corriqueiras

Coluna do Adilson Cardoso – Cenas Corriqueiras

Coluna do Adilson Cardoso – Cenas Corriqueiras

Entra no carro. A cabeça dói, mas aquela xoxota de pêlos ruivos não sai da memória, há um cheiro inesquecível de jasmim, que não se liberta do seu olfato. Há também fezes de pombo no vidro traseiro.

— Pombo filha da puta!  – Grita socando o painel do carro.

O dia esta claro e a rua agitada há feira no mercado próximo. Uma moto buzina duas vezes, ele faz de conta que não ouve. A moto retorna devagar, o piloto para e aponta para o relógio no pulso, parece dizer que a hora era aquela. Ele diz sim balançando a cabeça, olha desconfiado o homem acelerar.

Dirige pensando na orgia da noite anterior, mulheres encapuzadas expondo os corpos banhados de álcool e empanados em cocaína. Um ruído incomodo está nos seus ouvidos, tem gosto de féu na boca. De longe observa o guarda de transito, multar um carro velho que descarrega a frente do supermercado, passa próximo, retira uma foto do bolso e olha por alguns minutos. Seu pensamento retrocede novamente, as mulheres berrando animalescas, faziam trenzinho e se tocavam com os rostos misteriosamente cobertos.

 Ayuca se assusta com um garoto mudo batendo na janela do carro, olha demoradamente aquele rosto de dentes falhados e procura algo nos bolsos, sem moedas, joga um boné e fecha a janela.  Está em liberdade condicional após oito anos trancado por trafico de drogas e homicídio. Gosta do crime, se sente poderoso e temido.

Tem uma irmã presa nas Filipinas (trafico internacional) possivelmente não voltará mais ao Brasil, pena de morte ou prisão perpétua são os prováveis desfechos. Ele repete que um dia matará o próprio pai. Estaciona em frente ao cemitério, anda lento até a quadra 23, procura o zelador que está distante, distraído regando as flores. Ayuca se ajoelha de  frente à foto de um rapaz sorridente sobre uma bicicleta, seu nome é Jazan. Cava com a própria mão de olho no Zelador e retira um revolver. Cospe na foto e faz o sinal da cruz. O Guarda que havia multado o carro velho, esta numa esquina com um apito na boca, tem  rugas profundas na testa e fuma um cigarro marrom. Ayuca chama pelo seu nome e atira, assim que ele coloca a cabeça na janela do passageiro. A arma falha e o guarda sai correndo..

 

Adilson Cardoso
Adilson Cardoso

 

Aviso

  • • Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.
  • • Os espaços de comentários em nossos artigos são destinados a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou e-mail válido)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *