Casa das Apostas Online Betway

Últimas Notícias

SAIBA MAIS AQUI - FAÇA CLICK

Coluna do Edson Andrade – Civilidade e cordialidade

Coluna do Edson Andrade – Civilidade e cordialidade

Em Sérgio Buarque de Holanda temos a expressão “homem cordial”, aquele sob cujo órgão vital, o coração, simbolicamente, residem as manifestações de comportamento social. Desde os tempos mais remotos, os códigos morais são responsáveis pela conduta de indivíduos em uma determinada sociedade e pela paz ou não ali reinante.

A dissociação das normas de convívio social dos valores religiosos teve origem no Direito Romano. A partir dali, criou-se um complexo normativo de aplicação sistemática, consubstanciado no trinômio relativo ao homem: moral, racional e social. É de se esperar, portanto, que, ao longo dos últimos milênios a coexistência pacífica entre comunidades e povos seria alicerce para perpetuação da raça e desenvolvimento de todas as suas aptidões e talentos. Não é o que se observa – tempos imemoriais vencidos, ciência desenvolvida, tecnologia disponível e um sem número de teses filosóficas disseminadas nos meios gerais e nas academias – o ser dito humano é um agressor contumaz de sua própria raça.

O ser civilizado é aquele que se debruça perante valores e os observa respeitosa e conscientemente. A partir do melhor conceito do vocábulo “respeito”, o ser social se adapta às normas não meramente de aspecto conceitual, mas prático; não abstratamente, mas de forma a exemplificar perante o ser circunstancial sua determinação de render e obter reconhecimento de todos os limites e direitos, subjetiva ou objetivamente postos socialmente.

A violência que grassa pelo Brasil é resultado do atraso em que mergulhou nossa gente, máxime nas demonstrações de comportamentos criminosamente postos contra a incolumidade e o direito de se posicionar, subjetivamente, não importando se tais critérios de convicção sejam antagônicos aos do indivíduo agressor. Essas demonstrações se assemelham a verdadeiras tragédias sociais, pois remete o homem ao seu estado bruto, impolido, incapaz de racionalizar todo e qualquer gesto. A barbárie urbana se repete nos estádios de futebol, locais onde deveriam imperar a alegria e a cordialidade, não obstantes escolhas diversas de cores e escudos.

O que esperar de seres humanos afeitos ao desapreço ao seu semelhante? Que religião ou qual Deus salvará o indivíduo ou a turba raivosa de seus crimes perpetrados no calor da imbecilidade ou no planejamento engenhoso contra aqueles que não compactuam suas escolhas?

Os eventos trágicos de violência, ódio, raiva e total descontrole não deveriam fazer parte da história humana, sobretudo se nos lembrarmos de que as grandes guerras ainda eclodem em nossas memórias. Mas o homem não aboliu as armas e JAMAIS abolirá o ódio incompreensível contra seus irmãos. Tudo porque não leu a cartilha da decência, da civilidade, do respeito, do limite e do equilíbrio.

Toda violência é subproduto da loucura em que mergulhamos todos. As desavenças com os vizinhos, a pancadaria no trânsito, a violência contra mulheres, crianças e inocentes, o ódio incompreensível nos estádios de futebol, o armar-se para golpear um indefeso até a sua morte, tudo isso não pode ser produto de um tempo presente. Porque a loucura humana nunca e jamais será atributo de melhor ou pior cronologia. Mister, pois, nos armarmos de amor, compreensão e respeito. Urge nos equilibrarmos tempestivamente, antes que  nos aventuremos na agressão gratuita a quem quer que seja, haja ou não motivos humanos.

O autor é escritor, professor, jornalista, radialista e advogado.

 

Edson Andrade
Edson Andrade

Aviso

  • • Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.
  • • Os espaços de comentários em nossos artigos são destinados a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou e-mail válido)