Casa das Apostas Online Betway

Últimas Notícias
Curso - Fórmula da Eleição 2020
Inicio » Norte de Minas » Norte de Minas – Pequi e vinho podem ajudar no combate à obesidade, revela pesquisa conjunta entre Unimontes e UFMG

Norte de Minas – Pequi e vinho podem ajudar no combate à obesidade, revela pesquisa conjunta entre Unimontes e UFMG

Norte de Minas – Pequi e vinho podem ajudar no combate à obesidade, revela pesquisa conjunta entre Unimontes e UFMG

Norte de Minas – O pequi, o fruto-símbolo do Cerrado, assim como o vinho, pode contribuir para a redução do colesterol e para o combate à obesidade, auxiliando também na prevenção de doenças como o Diabetes. Este é o resultado de pesquisa desenvolvida pela Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), por intermédio do Programa de Pós-Graduação Stricto sensu em Ciências da Saúde (PPGCS), em parceria com o Instituto de Ciências Agrárias (ICA), da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) com sede em Montes Claros.

Norte de Minas - Pequi e vinho podem ajudar no combate à obesidade, revela pesquisa conjunta entre Unimontes e UFMG

O estudo revela que o ácido gálico, encontrado na uva, no vinho, no café e em algumas plantas e frutos do Cerrado – como o pequi – pode contribuir para a queima de gorduras. O resultado, apresentado em artigo publicado em revista científica internacional, poderá subsidiar outros estudos relacionados ao tratamento de obesidade e de outras doenças metabólicas.

Iniciado em 2012, o experimento foi desenvolvido em camundongos no biotério da Unimontes, com o teste do ácido gálico no tratamento da obesidade. “Induzimos a obesidade nos camundongos, com dietas que são ricas em gorduras e açúcar – e que são comuns na dieta humana, principalmente, por parte de pessoas que têm uma alimentação desregulada. Os camundongos se tornaram obesos. Em seguida, nós iniciamos o tratamento dando a eles o ácido gálico por mais de 30 dias”, relata um dos responsáveis pela pesquisa, o professor Sérgio Henrique Sousa Santos, do PPGCS/Unimontes e da UFMG.

“Os principais resultados que observamos é que o uso do ácido gálico em modelos animais de doenças metabólicas, especialmente, obesidade, Diabetes e colesterol elevado, pode proporcionar benefícios e reduzir parâmetros associados com estas doenças. O ácido gálico diminui o colesterol LDL em camundongos obesos e reduz a gordura, ativando a termogênese, que é a produção de calor através da queima do estoque de gordura do tecido adiposo”, explica o pesquisador, que é doutor em Ciências Biológicas e pós-doutor em Ensaios Farmacológicos.

“Os resultados foram muito importantes, com a redução do peso corporal e melhoria da glicemia, que está associada, principalmente, ao Diabetes, mostrando que a ativação da queima calórica pode ser benéfica”, diz Sérgio Santos. Ele enfatiza, ainda, que o experimento abre perspectivas para novos testes do uso do ácido gálico e dos alimentos ricos nesta substância em humanos. O objetivo dos testes, no caso, “é provar que determinados alimentos ricos no ácido gálico, consumidos de forma regular, podem beneficiar a saúde e a qualidade de vida dos pacientes”, comenta o professor da Unimontes e da UFMG.

Comprovada a reversão de várias doenças metabólicas e da melhora do perfil corporal, o pesquisador prevê a possibilidade do uso de cápsulas para tratamentos. Além disso, lembra que pessoas que consomem produtos ricos em ácido gálico poderão usar a alimentação como ferramenta de prevenção.

Sérgio Santos destaca que o ácido gálico é “largamente encontrado” em vários alimentos, em maior ou menor grau. “Entre estes alimentos, a gente pode destacar o café, o vinho, as uvas e alguns outros frutos que são tipicamente regionais, em especial, o pequi. O uso regular desses alimentos – que, além do ácido gálico, contam com outros elementos –, traz vários benefícios para a saúde. São os alimentos funcionais, que, quando usados regularmente, podem contribuir para melhorar o estado de saúde das pessoas e até prevenir algumas doenças”, observa.

O PEQUI NO CONTROLE DO COLESTEROL E NO COMBATE À OBESIDADE

Sérgio Santos ressalta que o pequi, por ser rico em ácido gálico, pode ser usado no controle do colesterol e também contra o aumento de peso. “O pequi, especificamente, é um dos produtos que possui o ácido gálico. E não somente pelo ácido gálico, mas por outros componentes que existem nele, o consumo regular do pequi na alimentação integral do nosso dia a dia pode auxiliar no controle de alterações de colesterol e no combate ao aumento de lipídios”, avalia o pesquisador.

O BENEFÍCIO DO VINHO

Quanto ao vinho, quais são os benefícios? “O vinho é uma bebida há muito tempo estudada, que, quando de boa qualidade (não um vinho doce), sem açúcar, feito de boas uvas, especialmente o tinto, traz benefícios para a saúde”, responde o pesquisador Sérgio Santos.

Ele salienta que a bebida ajuda no controle da hipertensão e da obesidade e auxilia na perda de peso. “Existem estudos que indicam que o consumo regular de uma taça de vinho, diariamente, pode queimar calorias até o equivalente a 30 minutos de caminhada. Então, um vinho tinto de qualidade pode ser um aliado –, claro, para pessoas que têm condições de consumir, que não têm doenças hepáticas, que não tem alcoolismo e que não possuam outras doenças nas quais o álcool possa interferir”, descreve.

O pesquisador lembra que um dos componentes do vinho é o resveratrol, que ativa a uma família de enzimas chamadas sirtuínas, que ajudam a queimar gorduras e previnem o envelhecimento e melhoram o metabolismo. “E nós mostramos que o ácido gálico também ativa as sirtuínas. O ácido gálico que está presente no vinho e em outros alimentos gera também assim a queima calórica”, relata o professor Sérgio Santos.

IMPORTÂNCIA DA PARCERIA PARA FOMENTAR PESQUISAS

O estudo sobre as propriedades do ácido gálico envolveu docentes e alunos do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde da Unimontes e professores e alunos do curso de Engenharia de Alimentos, do Instituto de Ciências Agrárias/UFMG, em Montes Claros. Os pesquisadores atuam como orientadores dos alunos do curso do mestrado e doutorado em Ciências da Saúde e do curso de graduação em Engenharia de Alimentos.

“Essa parceria é importante porque permite uma troca de conhecimentos, interação entre as áreas e a interdisciplinaridade. Além disso, possibilita o uso mais constante e bem aproveitado de equipamentos, gerando produções importantes em comum. Isso aumenta a qualidade e a potencialidade dos estudos”, enfatiza Sérgio.

Ele ressalta, ainda, a relevância da ação conjunta em prol do crescimento da investigação científica. “Como professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde e do ICA/UFMG, atesto que essa parceria tem sido muito benéfica para o crescimento da ciência no Norte de Minas. As parcerias têm feito o Norte de Minas se desabrochar e dar saltos em pesquisas que se destacam no Brasil. Podemos observar o crescimento da pesquisa e de publicações científicas resultantes de projetos desenvolvidos no Norte de Minas e, em especial, em Montes Claros”, conclui o professor Sérgio Santos.

Aviso

  • • Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.
  • • Os espaços de comentários em nossos artigos são destinados a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou e-mail válido)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *