Últimas Notícias

Guia completo de comedouro para cachorro: descubra o ideal

Nem todos sabem, mas o modelo de comedouro pode influenciar na qualidade da alimentação do animal.

Guia completo de comedouro para cachorro: descubra o ideal

Ter um animal de estimação é uma decisão e tanto: o processo envolve, além de comprometimento e tempo por parte do dono, pesquisar os produtos que mais se adequam às necessidades do seu bichinho. Especialmente com o passar do tempo, os animais, assim como os seres humanos, precisam de adaptações em seus ambientes.

O tipo de pote para ração, por exemplo, pode variar de acordo com a idade do animal e depois de algum problema de saúde específico. Da mesma forma, algumas raças ou portes funcionam melhor com objetos adaptados, pequenos ou mais altos.

A seguir, abordaremos um pouco mais sobre os cuidados que você deve ter na hora de escolher o comedouro do seu animal de estimação. Confira.

Material ideal

Há muita discussão sobre qual é o material correto utilizado no pote de ração: afinal, uma vez que o animal tem contato com ele de forma direta, ele também pode se contaminar com resíduos — claro, se o material for pouco saudável.

A maior parte das pessoas prefere optar por comedouros de aço inox, porque é um produto muito resistente, que pode ser lavado com facilidade e que, por ser liso, impede a possibilidade de acúmulo de sujeira nas ranhuras e cantinhos.

As tigelas de porcelana também são populares, porque são esteticamente bonitas — o que faz com que combinem com o ambiente onde estão —, mas não é só: elas são facilmente higienizáveis. 

Para quem opta pela alimentação natural dos pets, a porcelana também é uma boa pedida, já que pode ir ao micro-ondas. A única desvantagem é que é frágil.

Uma das opções mais baratas é a tigela de alumínio. Ela, porém, deve ser evitada: com o passar do tempo e o uso do pet, não é incomum que pedacinhos de alumínio começam a contaminar a comida do animal. 

A ingestão de alumínio, infelizmente, pode gerar vários problemas de saúde. Por isso, prefira tigelas um pouco mais caras, mas com materiais mais seguros.

Da mesma forma, evite alimentar o seu cachorro em tigelas de plástico. Embora fáceis de encontrar, elas, quando aquecidas, liberam uma substância muito nociva à saúde dos seres vivos — daí podemos dizer pets e pessoas: o Bisfenol-A.

Altura adequada do comedouro

Se o seu cachorro é pequeno, o ideal é que a tigela seja menor: assim, você poderá sempre calcular a quantidade certa de ração e ele comerá sem dificuldades. Para cachorros grandes, tigela maior: além de ser desconfortável comer num potinho muito pequeno, isso pode prejudicar a alimentação como um todo. 

Ainda sobre cachorros grandes, aliás: em muitos casos, para esses animais é muito mais confortável comer em potes que estão fora do chão. 

Isso também vale para cachorros com problemas nas articulações ou que já passaram dos sete anos, já que as suas juntas tendem a ser mais frágeis e abaixar para comer pode ser doloroso.

A altura certa para colocar o comedouro é na altura do peito do bichinho, exatamente onde começam os braços. Há muitos suportes para alimentação animal com tamanhos reguláveis.

Já a escolha do pote, também deve ser considerada a anatomia do cachorro. Focinhos curtos, focinhos longos… cada pet tem a sua especificidade e isso faz diferença.

Cães de focinho curto, por exemplo, podem ter dificuldade para se alimentar em potes mais fundos. Para facilitar a alimentação, eles podem derrubar a comida no chão — além de sujar, tira todo o objetivo do comedouro. Da mesma forma, cães de focinho longo podem achar potes muito rasos desconfortáveis.