Últimas Notícias

Dia Mundial do Rim: campanha debate a saúde renal brasileira

Rio de Janeiro – RJ 9/3/2022 –

Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, é iluminado em prol de campanha para alertar sobre as doenças dos rins

No dia 10 de março deste ano, a partir das 19h, o monumento ao Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, será iluminado com as cores azul e vermelho. O motivo das luzes é bastante especial: trata-se da campanha anual do Dia Mundial do Rim, que tem como objetivo alertar a população sobre a Doença Renal Crônica (DRC), que atinge cerca de 5 milhões de brasileiros.

Personalidades como o ex-futebolista Zico já vestiram a camisa em apoio à causa. Segundo dados da Sociedade de Nefrologia do Estado do Rio de Janeiro (Sonerj), apenas no estado, 13 mil pessoas sofrem com a doença. Pedro Tulio Rocha, presidente da instituição, explica que, por se tratar de uma condição muitas vezes assintomática e de progressão silenciosa, o cenário atual não é dos melhores. “Por causa do isolamento social causado pela pandemia de Covid-19, exames de rotina e visitas a médicos se tornaram mais negligenciados. Para uma doença como essa, o diagnóstico precoce é fundamental”, afirma Pedro.

Estimativas apontam que, até 2040, a doença renal crônica será a quinta maior causa de morte no mundo. Corroborando a projeção, dados da Sonerj mostram uma progressão anual no número de pacientes em tratamento dialítico – em 2020, foram mais de 144 mil no Brasil, cerca de 50 mil a mais do que em 2010, e confirma que mais de 80% dos tratamentos são realizados pelo SUS.

“Ainda que as projeções para os próximos anos sejam alarmantes, há vasto desconhecimento sobre a doença e seus impactos na saúde pública. E Neste ano, o Dia Mundial do Rim tem como foco o lema “Educando sobre a Doença Renal”, que esquematiza a necessidade de gerar conscientização em três diferentes eixos da sociedade: comunidade, profissionais de saúde e formuladores de políticas em saúde”, explica.

O que é a doença renal crônica?

Quando uma lesão nos rins se mantém por três ou mais meses, alterando o funcionamento do órgão, trata-se de uma doença renal crônica. Essa condição é capaz de proporcionar impactos negativos em funções vitais do organismo, como a regulação da pressão arterial; a filtragem do sangue; a eliminação de toxinas do corpo; o controle de sal e água e a produção de hormônios que evitam complicações diversas.

O nefrologista e presidente da Sonerj afirma que, entre as principais causas, podem ser citados o diabetes, a pressão alta (hipertensão), as infecções do tecido renal e o uso excessivo de alguns medicamentos que podem reduzir a função dos rins a longo prazo.

“Nos estágios iniciais, a doença renal crônica é silenciosa. Em outras palavras, não apresenta sintomas ou eles são poucos e inespecíficos. Em muitos casos, o diagnóstico acontece tardiamente, acompanhado da progressão da doença. Se o funcionamento dos rins já estiver suficientemente comprometido, pode ser necessário recorrer à diálise ou mesmo ao transplante renal”, explica o médico.

Alguns dos principais exames para a detecção precoce da DRC são a dosagem de creatinina no sangue e o exame de urina simples. De baixo custo, possibilitam evitar os agravos da doença e, consequentemente, permitem melhor qualidade de vida ao paciente.

Entre os sinais de alerta da DRC, o nefrologista cita menor produção de urina; inchaço nas mãos, no rosto e nas pernas; falta de ar; dificuldade para dormir; perda de apetite; náusea e vômito; pressão alta e sensação de frio e cansaço. “Quanto mais cedo se notarem os indícios, melhor será para o paciente, que receberá o diagnóstico preciso e deverá ser encaminhado a um nefrologista para ter o tratamento adequado. A ajuda certa no momento oportuno pode evitar o avanço da doença renal”, finaliza Pedro.