Últimas Notícias

Europa – Papa considera que a separação do casal em alguns casos é necessária

Reflexão faz parte dos debates dos bispos sobre como encarar os desafios da família contemporânea
Reflexão faz parte dos debates dos bispos sobre como encarar os desafios da família contemporânea

.

“Existem casos em que a separação é inevitável, inclusive moralmente necessária, para tirar os filhos da violência e da exploração e até da indiferença e estranhamento”, afirmou o sumo-pontífice.

O papa Francisco reconheceu nesta quarta-feira (24) que a separação do casal em alguns casos é inevitável e até “moralmente necessária”, principalmente quando reina a violência no lar, em uma clara mensagem de abertura ante os desafios da família moderna.

“Existem casos em que a separação é inevitável, inclusive moralmente necessária, para tirar os filhos da violência e da exploração e até da indiferença e estranhamento”, afirmou o papa ante milhares de peregrinos reunidos na audiência-gerla de quarta-feira na praça de São Pedro. “Peçamos ao Senhor uma grande fé para ver a realidade com o olhar do Senhor”, enfatizou.

.

A mensagem do papa foi lançada um dia depois da apresentação no Vaticano do documento que guiará em outubro o sínodo dos bispos de todo mundo dedicado à família e no qual propõe “acompanhar os divorciados e as famílias com filhos gays”.

O papa falou das “feridas profundas” que provoca a separação aos filos e rejeitou o termo “casais irregulares”.

“Não estaremos anestesiados em relação às feridas da alma dos filhos? Quando mais se tenta compensar com presentes, mais se  perde o sentido das feridas da alma”, afirmou.

“Como acompanhar os casais em dificuldades”, questionou ainda.

.

A reflexão faz parte dos intensos debates que os bispos mantêm há mais de um ano sobre como encarar os desafios da família contemporânea, em particular a delicada questão de autorizar a comunhão para os divorciados que voltaram a casas, argumento que gera divisões.

A Santa Sé revelou que conseguiu um “acordo comum” para propor um “caminho penitencial”, sob a autoridade dos bispos, para reintegrar à Igreja católica os divorciados que voltaram a se casar, algo que foi considerado um sinal de abertura.

.