Publicidade FENICS 2108 - RESERVE JÁ,JÁ, SEU STAND!  

PUBLICIDADE

COPASA - MONTES CLAROS
Inicio » Colunistas » Adilson Cardoso » Coluna do Adilson Cardoso – Entre os caminhos do Inferno

Coluna do Adilson Cardoso – Entre os caminhos do Inferno

Coluna do Adilson Cardoso – Entre os caminhos do Inferno

Entre os caminhos do Inferno

Fila para mim sempre foi sinônimo de tédio, naquela data especialmente  havia  algo  mais, estava com uma vontade louca  de chegar  em casa, após dias de estrada. Posto Caititu, era o nome de letras sombreadas numa placa da fachada, lia displicente. Pensei em tomar um conhaque, mas um policial de bigode grisalho, escorado numa viatura enlameada, a todo o momento olhava para mim, achei melhor não arriscar, fiança da Lei Seca estava mais caro. Chegou a minha vez na bomba de gasolina, enchi o tanque e entreguei o cartão ao frentista que me olhou de jeito estranho.

— Qual é cara, estou cagado? – Perguntei com rispidez.

Acelerei a moto e vi pelo retrovisor que o frentista se aproximava do  policial, falavam olhando para mim. Optei por uma velocidade moderada para contemplar a natureza, ás chuvas que caíram  nos últimos dias, havia renovado as cores das matas. Verdes de vários tons se contrastando com os vermelhos, roxos e amarelos das flores, a vista era agradável, apesar do céu turvo e duas cruzes toscas a beira da estrada. Chamou-me a atenção  uma senhora que  andava com dificuldades carregando um feixe de lenha na cabeça, ao seu lado se arrastava uma criança magra de pés no chão, estavam visivelmente machucados, deixando rastros de sangue por onde passavam. Aproximei-me  consternado para oferecer  ajuda. Buzinei, mas continuavam na peleja agonizante, gemiam, passei por eles  e parei á frente, a visão era terrível, fiquei  petrificado  os vendo capengar  feito zumbis. Seus rostos esqueléticos com porções de carnes azuladas nas maçãs do rosto, deixavam escorrer das órbitas um liquido grosso e amarelado, dos trapos das suas vestes expunham pontas de ossos feito  espetos. Cheiravam a carne podre. Virei a moto e acelerei, cheguei  feito louco ao lugar de onde viera, estava  lívido e ofegante. O policial torcia seus bigodes grisalhos de olhos fitos em mim.

—Poderia  apostar que você encontrou a  velha e a criança! Já faz um ano que morreram atropelados! Mas Parece que a desgraçada não está em paz, ela escolhe alguns para vê-la, dizem que  está se vingando! Não quero assustá-lo, mas  esses infelizardos que a viram costumam ter fins trágicos, Mas eu não acredito. Penso que são meras coincidências, ontem a vi por volta do meio dia, mas estou tranquilo, até agora nada me aconteceu!– Falou o policial olhando reflexivamente o céu tenebroso.

O frentista ficou reparando de longe com seu jeito estranho. Minha cabeça  estava dividida entre aquilo que  vi e as palavras pouco animadoras do policial, sentia arrepios.  De repente um chamado no radio da viatura, o homem ouve com atenção e repete positivo diversas vezes, desliga o aparelho e manobra o carro. O frentista continuava me olhando de longe, parecia uma estátua de Frankenstein, quando eu lhe encarava desviava a vista, achei melhor não perder tempo com banalidades.

— Vai se foder agourento! – Falei abotoando o capacete e pegando a estrada novamente.

Deu para enxergar a viatura em disparada, o que quer que fosse aquele chamado era urgente, aproveitei para acelerar, passaria no local das aparições com pouca  diferença em relação ao policial. Fui contando placas, acelerava e reduzia sem perder o foco na viatura. De repente o carro desviou bruscamente de alguma coisa e bateu numa pedra que ficava a margem, o estrondo foi alto. Eu já estava bem perto, vi o corpo decapitado voar  pelo buraco que se abriu no parabrisa. Parei sem acreditar naquela aquela cena de filme de horror, a velha saiu  de dentro dos destroços do carro com a criança e a cabeça do policial nas mãos.

 

Adilson Cardoso
Adilson Cardoso

Leia Também

Gastronomia - Receita de Maminha de forno com legumes assados

Gastronomia – Receita de Maminha de forno com legumes assados

* Por: Jornal Montes Claros - 24 de Maio de 2018. Gastronomia – Receita de …

Aviso: Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas. O espaço de comentários em nossos artigos é destinado a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não às pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou email válido).



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *