Empréstimo Consignado para aposentados, pensionistas do INSS

Últimas Notícias
Casa das Apostas Online Betway

Sem dinheiro, prefeituras de Minas Gerais ameaçam fechar as portas

Sem dinheiro, prefeituras de Minas Gerais ameaçam fechar as portas

Nem mesmo as cidades que conseguiram na Justiça a garantia de parte dos repasses do governo de Minas têm conseguido ajustar as contas. Em São Sebastião do Paraíso, no Sul de Minas, o prefeito Walker Américo Oliveira (PTB) diz que, mesmo tendo obtido na Justiça o repasse do ICMS, as contas da prefeitura não fecham. A ameaça na cidade é interromper a oferta de transporte escolar e, em um grau mais extremo, cortar o funcionamento da própria prefeitura, pelo menos na parte administrativa.

Vista de Luislândia, no Norte de Minas (Foto: Divulgação)
Vista de Luislândia, no Norte de Minas (Foto: Divulgação)

 

“Mesmo com a decisão favorável do ICMS, não deu para regularizar a prefeitura. Está arriscado ainda suspender o transporte escolar porque está difícil até comprar combustível. Chegamos ao ponto em que se a prefeitura não começar a receber em dia do governo do Estado, a alternativa vai ser fechar as portas em dezembro, pois não dá para bancar o administrativo”, disse o prefeito.

Em Pedrinópolis, no Triângulo Mineiro, cidade de 3.490 habitantes, o prefeito Antônio José Gundim (PSDB) diz que a falta dos repasses do governo, que somam R$ 2,5 milhões, tem comprometido a folha de pagamento e também pode levar a uma interrupção provisória dos serviços da prefeitura.

“Nós temos um custo de R$ 700 mil apenas com a folha de pagamento. Esses R$ 2 milhões que têm faltado são essenciais para isso. Eu não deixei de pagar servidores porque tenho tirado de outros lugares. Já cortamos da educação e saúde para arcar com a folha de pagamento. Isso é demais. Se continuar assim, vamos parar a prefeitura, fazer um fechamento provisório, ou algo assim”, afirma Gundim.

Também com receio de ter que cortar atividades da prefeitura, o prefeito de Luislândia, no Norte de Minas, Edson Rodrigues (PSD), ainda irá recorrer à Justiça para tentar a garantia dos repasses.

“O governo nos deve R$ 1,6 milhão. Antes eu não tinha acionado a Justiça, mas agora vou porque senão vou ter que deixar de pagar salários. Qual será a solução para não fechar a prefeitura?”, questiona.

Quer saber as notícias do Jornal Montes Claros em primeira mão? Siga-nos no Facebook @jornamoc, Twitter @jornalmoc e Instagram @jornalmoc.