Matrículas Aberta - Escola Adventista

Últimas Notícias

SAIBA MAIS AQUI - FAÇA CLICK

Inicio » Mais Seções » Tecnologia » HUCF é parceiro da Fiocruz e da UFTM no uso de aplicativo que avalia casos de Leishmaniose

HUCF é parceiro da Fiocruz e da UFTM no uso de aplicativo que avalia casos de Leishmaniose

HUCF é parceiro da Fiocruz e da UFTM no uso de aplicativo que avalia casos de Leishmaniose

Como referência no diagnóstico, tratamento e estudos de casos sobre a Leishmaniose Visceral (LV) para o Norte de Minas, o Hospital Universitário Clemente de Faria (HUCF) tem sido determinante para a funcionalidade do Leishcare, um aplicativo (“app”) desenvolvido por pesquisadores para a avaliação dos casos da doença – conhecida popularmente como “Calazar”.

Aplicativo Leishcare
Aplicativo Leishcare

 

O “app” é resultado de amplo estudo realizado pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM) e pelo Instituto René Rachou, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Como parceira, a Unimontes teve 12 médicos e residentes da equipe do HUCF como participantes da pesquisa “na avaliação de gravidade dos casos, registro e acompanhamento de lesões cutâneas e guias atualizados de manejo das leishmanioses”.

A aplicação desta tecnologia na saúde integra a pesquisa “Otimização do Diagnóstico Precoce e Manejo de Indivíduos com Leishmaniose Visceral em Áreas Endêmicas – com Diferentes Perfis de Transmissão e Endemia”, coordenada pela professora doutora Luciana de Almeida Silva Teixeira, da UFTM.

O financiamento é da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig) e o projeto monitora também dados em Paracatu (Noroeste do Estado) e Lavras (Sul de Minas).

Sobre a participação da Unimontes, a doutoranda da UFTM enalteceu o trabalho do professor e pesquisador Sílvio Fernando Guimarães de Carvalho, referência internacional nas pesquisa sobre o Calazar. “Não podemos deixar de agradecer, em caráter especial, a equipe do professor Sílvio Guimarães, referência na área com suas importantes pesquisas que muito contribuem para um diagnóstico mais rápido Leishmaniose Visceral”, enfatizou Priscilla.

O aplicativo resulta da dissertação de mestrado profissional em Inovação Tecnológica do pós-graduando Gerson Fonseca. O projeto é orientado pelo professor e pesquisador da área de Engenharia, David Calhau, do Instituto de Ciências Tecnológicas (ICTE) da UFTM.

TESTES

Além do aplicativo, o projeto engloba o teste sorológico DAT/LPC, que foi desenvolvido pelo pesquisador Edward Oliveira, do Laboratório de Pesquisas Clínicas do Instituto René Rachou/Fiocruz. Para Montes Claros foram encaminhados 10 kits do teste. Cada um é suficiente para avaliar 80 amostras de soro em pacientes com suspeita clínica da Leishmaniose Visceral.

“Em trabalhos anteriores, o DAT-LPC apresentou alta sensibilidade e especificidade no diagnóstico laboratorial da doença. Agora, com esta pesquisa desenvolvida em Montes Claros, Paracatu e Lavras, queremos mostrar ao Ministério da Saúde que a viabilização comercial do DAT-LPC poderá tornar o diagnóstico laboratorial da LV mais rápido”, ressaltou o pesquisador.

Outro ponto importante da parceria com o HUCF nos 18 meses da pesquisa está na colaboração de médicos e de residentes. “Estamos em uma região endêmica [Norte de Minas] e o HUCF é referência. Não teria como fazer essa pesquisa, que visa avaliar a percepção do uso do aplicativo e do teste rápido diagnóstico DAT/LPC, sem a parceria dos profissionais do HUCF que participaram de forma voluntária”, afirmou Priscilla Ferreira, doutoranda em Medicina Tropical e Infectologia.

Ela esteve visitando o HUCF ao final de maio, ao lado do pesquisador Edward Oliveira, para recebimento dos relatórios e avaliações com os 12 médicos que participam da pesquisa.

Aviso

  • • Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.
  • • Os espaços de comentários em nossos artigos são destinados a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou e-mail válido)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *