Empréstimo Consignado para aposentados, pensionistas do INSS

Últimas Notícias
Casa das Apostas Online Betway

Adilson Cardoso

Coluna do Adilson Cardoso

Coluna do Adilson Cardoso – As varias versões de um crime

Adilson Cardoso

Coluna do Adilson Cardoso – As varias versões de um crime As pancadas eram intermitentes, mas incomodava, Graça marcou o ultimo livro da estante, abriu a portinhola do balcão e andou resmungando. No imenso espaço de pesquisas, as mesas estavam todas ocupadas, na primeira um rapaz de cabelos altos e despenteados, mordia o fundo da caneta, absorto em um grosso …

Leia Mais »

Coluna do Adilson Cardoso – Um Puteiro Chamado Paraíso

Adilson Cardoso

Coluna do Adilson Cardoso – Um Puteiro Chamado Paraíso Minha Vó morreu atropelada, ela estava bêbada e tinha oitenta e dois anos. Meu pai não falava com ela, tampouco outros dois tios que trabalhavam de terno e gravata, atendendo como Advogados. Eles nunca conseguiram assimilar como a mãe resolvera ser prostituta aos sessenta e cinco anos. “Foda-se o cú é …

Leia Mais »

Coluna do Adilson Cardoso – Alípio Capataz o Emissário da Morte

Adilson Cardoso

Coluna do Adilson Cardoso – Alípio Capataz o Emissário da Morte Desde que passou a Cancela dos Priquiteiros, Alípio vinha observando um vulto que se movia a frente. Algo pesava no ar, além da lua acanhada, que se escondeu atrás da nuvem, arrepios involuntários passeavam pelo seu corpo. Mas ao mover a cabeça para os lados em sinal de alerta, …

Leia Mais »

Coluna do Adilson Cardoso – Eles são Os Incríveis

Adilson Cardoso

Coluna do Adilson Cardoso – Eles são Os Incríveis Na década de 1960, o movimento da Jovem Guarda eternizou hits, embalou gerações e segue, até hoje, na memória do público.   Pois agora será a hora de reviver este período, com uma das bandas de maior representatividade da época, Os Incríveis. O grupo, que soma mais de meio século de trajetória …

Leia Mais »

Coluna do Adilson Cardoso – Bolinhas de gude cintilam no céu ( A Julio Galinheiro)

Adilson Cardoso

Coluna do Adilson Cardoso – Bolinhas de gude cintilam no céu ( A Julio Galinheiro) Galinheiro  um homem Para alguns  um doido Para outros,  Julio Ele pouco se lixava, Julio, homem, doido, se foda!  Menos Galinheiro Queria contar suas estórias para ele mesmo Falar sozinho interagindo com as suas  Quimeras Ordenava que  a caneca não tilintasse Que as garrafas soltas não se tocassem,  Que  buzinas dos  carros  se …

Leia Mais »

Coluna do Adilson Cardoso – O menino e o sonho

Adilson Cardoso

Coluna do Adilson Cardoso – O menino e o sonho Magricela, olhar  apático e pele escura, pés descalços e  ingenuidade de criança. A idade ninguém sabia, talvez nem  tinha escrito  em  papel, muitos desses perambulam sem  registros. Entrou  na Padaria requintada de clientes nobres. —  Moça, me dá um sonho? A atendente ignorou,  mudando a direção do olhar. — Moça a senhora   pode me  dar  um sonho? Incomodada se aproximou  furiosa. — Pague no …

Leia Mais »

Coluna do Adilson Cardoso – Coisas banais

Adilson Cardoso

Coluna do Adilson Cardoso – Coisas banais Charlene pisava forte na escada, bufava, demonstrando  cansaço, era o ultimo degrau para o terceiro andar. Colocou a mão no peito e olhou para baixo, as  sacolas plásticas dependuradas nas mãos pareciam  ter dobrado de  peso. — Ladrão miserável! A gente paga tanto pra ter que ficar subindo a pé! Ô inferno! Coloque um elevador nessa droga! …

Leia Mais »

Coluna do Adilson Cardoso – O nome de quê?

Adilson Cardoso

Coluna do Adilson Cardoso – O nome de quê? Pablo estava sentado em frente ao computador. Tinha trinta minutos para justificar a sua admissão, era uma Empresa de Cosméticos. Desempregado há dois anos recebia a primeira oportunidade após sair da cadeia por porte de drogas. Mas o branco era terrível na mente,  Bocejava, soletrava uma palavra em inglês que estava do …

Leia Mais »

Coluna do Adilson Cardoso – O conto seguinte

Adilson Cardoso

Coluna do Adilson Cardoso – O conto seguinte Gemidos ecoavam das fendas que se  abriram  no chão da cozinha.  Pelas rachaduras do teto  era possível ver a  lua cheia se apagando no céu. Pessoas já falecidas faziam o jogo dos copos, chamavam  espíritos na mesa do café. Guido seu  amigo assassinado há poucos dias,  tinha um buraco na cabeça  onde se expunham  miiases, ele batia palmas com uma mão sem …

Leia Mais »