FENICS 2019 - ACI

Inicio » Montes Claros » Montes Claros – A cidade de Montes Claros lidera o ranking da região em mortes por Chagas

Montes Claros – A cidade de Montes Claros lidera o ranking da região em mortes por Chagas

Montes Claros – A cidade de Montes Claros lidera o ranking da região em mortes por Chagas

Montes Claros – A cidade de Montes Claros lidera o ranking da região e é a quarta cidade mineira com mais registros de óbitos em decorrência da doença: foram 41 óbitos no ano passado e 22 neste ano, perdendo apenas para Belo Horizonte (98 registros), Uberlândia (78) e Uberaba (68). Em menos de dois anos, 323 pessoas morreram devido à doença de Chagas no Norte de Minas. 

PERIGO – Incidência do inseto transmissor nos bairros São Geraldo, Ibituruna, Carmelo e Amazonas
PERIGO – Incidência do inseto transmissor nos bairros São Geraldo, Ibituruna, Carmelo e Amazonas

 

Em 2018, nos municípios norte-mineiros, pelo menos 97 pessoas foram diagnosticadas com Chagas crônica. Neste ano, até o momento, já são 58 casos da doença. Nos seis primeiros meses de 2019, 110 pessoas morreram – as principais cidades com óbitos são Montes Claros (21) e São Francisco (6).

Relatório do Centro de Controle de Zoonose (CCZ) de Montes Claros aponta que é na zona rural o maior índice de infestação do “barbeiro” transmissor – com 582 insetos recolhidos ano passado e 140 neste primeiro semestre. Na área urbana foram 34 e 26, respectivamente. Entre os bairros com maior incidência estão São Geraldo, Ibituruna, Carmelo e Amazonas.

O cardiologista Wilson Prado pontua que a doença quando causa insuficiência cardíaca aguda e pode matar em poucos dias. Já a forma crônica, que corresponde à grande maioria dos casos, pode evoluir por décadas, dependendo das características da pessoa e do agente causador da doença.

“Não há um tratamento específico eficaz para a cura da doença crônica. No entanto, quando há manifestações cardíacas ou digestivas há medicamentos que podem prevenir complicações e retardar a evolução da doença”, explica o especialista, que atende no Hospital das Clínicas Mário Ribeiro da Silveira.

Ainda segundo Prado, alguns pacientes necessitam implantar marca-passo e até se submeter à cirurgia cardíaca ou do trato digestório.

Aviso: Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.Os espaços de comentários em nossos artigos são destinados a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou e-mail válido)



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *