Casa das Apostas Online Betway

Últimas Notícias

SAIBA MAIS AQUI - FAÇA CLICK

Norte de Minas – IFNMG alerta para a necessidade de assistência e proteção dos povos indígenas e quilombolas contra a pandemia do coronavírus

Norte de Minas – IFNMG alerta para a necessidade de assistência e proteção dos povos indígenas e quilombolas contra a pandemia do coronavírus

Norte de Minas – Historicamente marginalizados e em muitos casos sem sequer ter seus territórios e direitos reconhecidos, as comunidades indígenas e quilombolas brasileiras estão especialmente vulneráveis nesse período de pandemia de saúde pública causada pelo coronavírus, uma vez que geralmente não recebem visitas regulares de equipes de saúde, não possuem saneamento básico adequado e estão em localidades distantes de qualquer equipamento hospitalar. Assim, em caso de contaminação, o resultado poderia ser trágico.

Instituto tem várias ações junto às comunidades. Na foto, indígenas de uma aldeia Xacriabá em oficina de língua portuguesa com professores do IFNMG - Campus Januária.
Instituto tem várias ações junto às comunidades. Na foto, indígenas de uma aldeia Xacriabá em oficina de língua portuguesa com professores do IFNMG – Campus Januária.

 

Quem faz o alerta é o Núcleo de Estudos, Pesquisa e Extensão Afro-brasileiros e Indígenas (NEABI) do IFNMG, que desenvolve trabalhos de intercâmbio cultural e projetos de ensino, pesquisa e extensão com diferentes comunidades indígenas e quilombolas da metade norte de Minas Gerais.

Segundo a presidente do NEABI do Campus Arinos, professora Maria Flávia Pereira Barbosa, o reconhecimento dos territórios de comunidades quilombolas e a demarcação das terras indígenas, que são ações de responsabilidade do Estado mas extremamente tímidos no Brasil, são fundamentais para a proteção desses povos vulneráveis. “Para além da posse da terra, o reconhecimento dessas comunidades no território nacional deveria garantir o acesso às políticas públicas de auxílio e assistência, os quais garantam, além da territorialidade, a preservação da cultura e das tradições desses povos”, ressalta Maria Flávia. Especificamente sobre os quilombolas, a professora destaca que além dessas vulnerabilidades (social, econômica e territorial), o acesso à saúde é precarizado também pela falta de políticas públicas que considerem as maiores ocorrências de determinadas doenças na população negra brasileira.

Com relação aos povos indígenas, a professora Susana Alves Escobar, membro do NEABI do Campus Januária, reforça que as aldeias já vivem um estado de risco de extermínio em massa, que é agravado nesses momentos de crise de saúde pública pelo fato de não haver plano de contingência para surtos e epidemias por parte do governo federal. O IFNMG faz seu papel dentro do possível: o Campus já promoveu turmas de educação indígena, fez no ano passado projeto de extensão para fortalecer a iniciativa de jovens que estavam se preparando para o Enem e está realizando pesquisa com base nos dados do Censo Escolar das escolas indígenas. A própria Susana fez os projetos de mestrado e doutuorado sobre educação indígena, tendo os Xacriabás como campo empírico.

Para chamar atenção dos governantes e da sociedade civil sobre a importância de prestar auxílio também a estas comunidades já tão fragilizadas, o Núcleo divulgou a seguinte nota:

O NEABI/IFNMG vem a público manifestar preocupação e alertar a sociedade civil e governantes sobre a necessidade de proteção dos povos originários indígenas e quilombolas diante da crise emergencial de saúde. Conhecendo a situação de extrema vulnerabilidade social desses povos, apelamos para que sejam respeitados os territórios, bem como para que sejam adotadas medidas hábeis e necessárias para o enfrentamento da contaminação pelo novo coronavírus.

Aviso

  • • Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.
  • • Os espaços de comentários em nossos artigos são destinados a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou e-mail válido)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *