Inicio » Minas Gerais » Triangulo Mineiro » MG – Jovem grávida desaparecida é achada com a barriga aberta em represa

MG – Jovem grávida desaparecida é achada com a barriga aberta em represa


Reviewed by:
Rating:
5
On 22 de agosto de 2016
Last modified:22 de agosto de 2016

Summary:

MG - Jovem grávida desaparecida é achada com a barriga aberta em represa

MG – Jovem grávida desaparecida é achada com a barriga aberta em represa

Uma jovem grávida, que estava desaparecida, foi encontrada morta, com a barriga aberta, dentro de uma represa, em Ituiutaba, na região do Triângulo Mineiro, nesse domingo (21/08/2016). O feto ainda não foi localizado.

Corpo estava envolto em tela de arame e amarrado a pedra
Corpo estava envolto em tela de arame e amarrado a pedra

Dois ciclistas que faziam trilha pela zona rural da cidade, viram o corpo de Greiciara Belo Vieira, 19, boiando em uma represa, a cerca de cinco metros da margem, e chamaram a Polícia Militar (PM). O Corpo de Bombeiros retirou o corpo da água.

A vítima estava com os pés amarrados por um tecido e o corpo envolto por uma tela de arame junto com uma pedra grande, além de estar com o abdômen aberto e com as vísceras expostas.

A jovem estava desaparecida desde o dia 18 de agosto e segundo a mãe dela, a filha estava grávida de 8 meses, o que foi confirmado pela perícia.

Até o momento, não se sabe quem matou Greiciara e nem se o bebê dela está vivo.

Matar a mãe para roubar bebê de barriga já aconteceu em Ponte Nova

Em junho de 2015, Patrícia Xavier da Silva, 21, aos 9 meses de gestação, saiu de sua casa por volta de 7h30 no bairro Cidade Nova para ir ao hospital Nossa Senhora das Dores, no centro de Ponte Nova, na Zona da Mata. Ela foi vista entrando e saindo sozinha do local, mas depois disso, não havia sido mais localizada. A família então registrou queixa sobre o seu desaparecimento. Aquela seria a última consulta de pré-natal antes de Patrícia ter o bebê, um menino.

Quatro dias depois, o corpo de Patrícia foi encontrado perto de uma caixa d´água, no bairro Vale Verde, um bairro de ligação à zona rural da cidade, afastado do centro. Perto do local, havia uma lavanderia abandonada onde foram encontrados restos de comida, cobertor, um papelão, e outros indícios de que a vítima havia sido mantida em cativeiro antes de ser assassinada.

O corpo estava com a boca amordaçada com uma fita adesiva, mãos e pés amarrados, um corte no pescoço e outro grande corte na barriga, semelhante a uma cesária. O bebê havia sido retirado do ventre da mãe.

Na semana seguinte, a polícia prendeu três suspeitos do crime, inclusive Gilmária Silva Patrocínio, que confessou a autoria do crime e o motivo: queria ficar com o bebê. A criança sobreviveu.

As informações saõ do Portal O Tempo / Por Fernanda Viegas

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).



EV SSL Certificate