Casa das Apostas Online Betway

Últimas Notícias

SAIBA MAIS AQUI - FAÇA CLICK

Inicio » Esporte » Depois de anos fortes, futebol de Minas terá 2020 de reconstruções

Depois de anos fortes, futebol de Minas terá 2020 de reconstruções

Depois de anos fortes, futebol de Minas terá 2020 de reconstruções

2019 foi um ano especialmente cruel com o futebol do estado de Minas Gerais. Claro que o inédito rebaixamento do Cruzeiro chama atenção logo de cara, mas podemos ir um pouco além se analisarmos o desempenho dos principais times do estado em 2019 e sua perspectiva para 2020.

Até nas casas de aposta como 22bet os mineiros aparecem com pouca moral em suas pretensões para a temporada que começa.

https://www.instagram.com/p/B5y47GWF4nh/
https://www.instagram.com/p/B5y47GWF4nh/

Cruzeiro na Série B

Não há como começar sem falar da queda do Cruzeiro para a Série B do Brasileirão, algo inédito na história do clube e que fez o clube deixar o seleto plantel de clubes que nunca haviam sido rebaixados. Ironicamente, um mineiro de porte bem menor continua nessa lista: o Tombense, agora na Série C, e que nunca caiu de divisão também, mas isso é assunto para depois.

Existem muitos motivos que fizeram o Cruzeiro ser rebaixado, e podemos listar os mais óbvios deles aqui. Meter os pés pelas mãos financeiramente, não se planejar esportivamente para uma temporada que teria, de novo, Mineiro, Brasileirão, Libertadores e Copa do Brasil, um elenco com sérios problemas extra-campo…você escolhe.

O que parecia ser um começo de temporada absolutamente promissor, com título do Campeonato Mineiro conquistado em cima do arquirrival Atlético-MG, cinco vitórias em seis jogos da Copa Libertadores, aos poucos foi caindo por terra.

Casas de apostas confiáveis como Sportingbet colocavam o Cruzeiro até como candidato a título do Brasileiro. Não foi bem assim. A ideia era a segurança em apostar em um time veterano, um treinador experiente e que conseguia bons resultados. Quem apostou nisso seu deu mal.

Primeiro, veio a eliminação da Libertadores para o então campeão River Plate, nos pênaltis – nenhuma vergonha aí. Pouco mais de um mês depois, a queda para o Inter na Copa do Brasil, já nas semifinais.

Ali, no começo de setembro, a situação no Brasileirão já estava crítica, mas parecia perfeitamente remediável. O que todo mundo viu, porém, foi uma catástrofe de proporções nunca antes vividas pela Raposa. O resultado da combinação de fatores negativos que citamos (dinheiro, planejamento, elenco) culminou no rebaixamento. E os prognósticos, infelizmente, não são dos melhores.

Atlético-MG: coadjuvante discreto

Se o Cruzeiro roubou a cena em 2019 da maneira mais negativa que é possível, o Atlético-MG não passou de um mero coadjuvante em toda a temporada praticamente.

O Galo perdeu a final do Campeonato Mineiro para o Cruzeiro, como dissemos, e também falhou na missão de ir longe na Libertadores, caindo ainda na fase de grupos e indo jogar a Sul-Americana, da qual caiu fora nas semis.

No Brasileirão, o time fez campanha totalmente medíocre e acabou numa insossa 13ª posição, beliscando vaga para a Copa Sul-Americana 2020, e o torcedor infelizmente teve que se dar por satisfeito.

Para a nova temporada, aliás, com contratações como Dudamel e Allan entre seus destaques e a perda de gente como Elias, fica difícil ter perspectivas de títulos grandes para o ano do Galo.

América-MG não consegue subir

Sim, até do América-MG cabe falar. Basta pensar que, em 2017, o time foi campeão da Série B e, mesmo tendo caído novamente em 2018, o time lutou até os últimos suspiros por uma sobrevida na primeira divisão. Não foi o que vimos mais recentemente.

Em 2019, disputando a Série B mesmo, o América falhou no que tinha sido relativamente simples até então. Sua fama de time “ioiô”, ou seja, que sobe e desce de divisão uma temporada após a outra, parece ter chegado ao fim, pelo menos por um tempo, já que o clube acabou fora da zona de promoção – logo abaixo, em 5º, é verdade, mas não menos excluído.

Talvez tenha sido a concorrência pesada de times como Bragantino, Sport, Coritiba e Atlético-GO, os promovidos de 2019, mas o Coelho deixou a desejar.  E, querendo ou não, passou a ser alvo também da piadinha dos torcedores do Atlético-MG: somente eles representam Minas Gerais na Série A em 2020.

O que o futuro reserva?

Pergunta complicada de se responder. Do América-MG e de times menores, como Tombense e Boa Esporte, podemos esperar aquela sempre sonhada promoção de divisão, mas as atenções estarão todas voltadas para os dois grandes.

A missão do Atlético-MG, único representante na Série A, como eles mesmos gostam de lembrar, é ser mais do que “mais um” na tabela. A campanha de 2019 acabou sem títulos e a de 2020 começa sem perspectiva, tirando o Mineiro. A movimentação de mercado não anda lá essas coisas, e o planejamento de sucesso deveria começar por aí.

Já o Cruzeiro, embora pareça ter batido no fundo do poço, pode muito bem piorar se não se cuidar. O clube está endividado, cheio de problemas dentro e fora do vestiário e precisando demais de qualquer raio de esperança. Vencer o Campeonato Mineiro logo de cara e subir de volta para a Série A são meras obrigações se o time quiser construir um futuro melhor para si.

 

Aviso

  • • Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.
  • • Os espaços de comentários em nossos artigos são destinados a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou e-mail válido)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *