Últimas Notícias

Cidade argentina proíbe concursos de beleza por considerá-los sexistas

Com desfiles e exibições dos atributos físicos femininos, os concursos de beleza discriminam a mulher e são sexistas, considerou a Assembleia municipal de uma cidade dos Pampas argentinos, que decidiu proibir eventos deste tipo.

Para assembleia municipal concursos de beleza discriminam a mulher.
Para assembleia municipal concursos de beleza discriminam a mulher.

A medida foi adotada pelos vereadores de Chivilcoy, 160 Km a oeste de Buenos Aires, uma cidade situada em meio a verdes campos cultivados de soja e que tem uma população de 60.000 habitantes. “Estes concursos de beleza entre meninas, adolescentes e jovens reforçam a ideia de que as mulheres devem ser valorizadas e premiadas exclusivamente por sua aparência física”, diz o texto da lei, aprovada por ampla maioria.

A casa legislativa é controlada pela peronista Frente para a Vitória, no poder em nível federal, e a iniciativa é a primeira do tipo adotada em uma cidade argentina.

Os concursos para eleger a mais bela se baseiam em “estereótipos, promovendo assim, em muitos casos, uma verdadeira obsessão pela beleza física, por um ideal de perfeição que nunca se alcança”, prossegue a resolução.

Os parlamentares consideraram, inclusive, que os concursos “desatam doenças como bulimia, anorexia e outros transtornos alimentares”. “A beleza não é um fato objetivável. Portanto, qualificá-la e organizar um cenário de competição é uma situação discriminatória e violenta”, acrescenta a norma.

No lugar do concurso, os legisladores aprovaram que a festa municipal de Chivilcoy seja substituída por “uma convocação que reconheça pessoas de 15 a 30 anos que, de forma individual ou coletiva, tenham se destacado em atividades solidárias, com vistas a melhorar a qualidade de vida de bairros desta cidade ou localidades de campanha”.