Últimas Notícias
Montes Claros - Sindicato dos professores da Unimontes e acusa a reitoria de perseguição e retaliação

Montes Claros – Sindicato dos professores da Unimontes e acusa a reitoria de perseguição e retaliação

Montes Claros – Sindicato dos professores da Unimontes e acusa a reitoria de perseguição e retaliação

A greve dos professores da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) avança sem previsão de término. A paralisação, que teve início no dia 2 de maio de 2016, esbarra no impasse entre professores e o Governo do Estado, em três questões consideradas preponderantes para o retorno aos trabalhos.

Montes Claros - Sindicato dos professores da Unimontes e acusa a reitoria de perseguição e retaliação
Montes Claros – Sindicato dos professores da Unimontes e acusa a reitoria de perseguição e retaliação

 

A primeira trata da incorporação de gratificações salariais no vencimento básico dos professores. A segunda especifica sobre um decreto de promoção de um grupo de profissionais que ficaram prejudicados com o concurso público, e a terceira trata da reestruturação da carreira dos professores prejudicados pela Lei 100.

Nesta segunda feira (18/07/2016), a Adunimontes, associação dos docentes da universidade, emitiu nota de repúdio ao comunicado da reitoria da Unimontes, no dia 15 de julho.

CLIQUE AQUI PARA ENTRAR EM CONTATO CONOSCO!!!

Ao contrário do que sustenta o comunicado, na reunião do dia 15/07 não houve discussão ou negociação com o comando de greve, mas tão somente um comunicado das decisões arbitrárias e inconsequentes tomadas exclusivamente pela reitoria – declara a Adunimontes.

A nota diz ainda que “a posição unilateral e tardia da administração superior em relação às designações configura uma clara quebra de acordo, uma vez que desde o início das negociações acordou-se que, independentemente da greve, os contratos seriam publicados com vigência a partir de agosto”.

A Associação afirma que “ainda que a reitoria (da Unimontes) usou desse acordo para motivar os departamentos a distribuírem encargos mesmo em período de greve, sob o pretexto de que os contratos precisavam ser publicados em tempo hábil. Findadas as distribuições, a administração superior expôs o seu golpe, ameaçando e usando de maneira desleal o elo funcional mais frágil da universidade, os designados e que essa atitude visa dividir e enfraquecer a categoria, como historicamente temos observado na Unimontes, posto que a unificação pode ameaçar e inverter polos de poder”.

Segundo a Adunimontes, houve quebra de acordo também em relação à autonomia dos departamentos, uma vez que a reitoria tem buscado mecanismos de controle mesmo após a revogação do Comitê Gestor.

A Adunimontes ainda afirmou que “nas mesas de negociação, ficou evidente que havia divergências entre o Reitor João Canela e o Pró-Reitor de Planejamento, Gestão e Finanças, Roney Versiany, em relação à condução das questões concernentes à greve. Contudo, a palavra do Reitor, que deveria ser a final, sempre foi de respeito ao direito de greve para todos, com a publicação dos contratos no início de agosto, o que ele não sustentou”.

Diante disso, o comando de greve questionou:

Quem fala e quanto vale a palavra da gestão da Unimontes? – Além de afirmar que “a administração superior mente deliberadamente quando diz respeitar o movimento grevista. Ela persegue, desrespeita, retalia e pune professores com vínculo precário, quebrando acordos de maneira desleal e tratando tais professores (1/3 do corpo docente) como peças dispensáveis”.

Para complementar a nota de repúdio, a Adunimontes diz que “a não concessão de autonomia aos departamentos, o autoritarismo e a falta de liderança e credibilidade junto ao corpo docente têm demonstrado que falta à reitoria não apenas legitimidade para tomar as decisões que toma, mas principalmente trato e competência frente à resolução de conflitos”.

Para finalizar, o Adunimontes afirma que “a reitoria esconde-se atrás de um discurso legalista para eximir-se da responsabilidade de resolver a contenda de maneira justa e conciliatória, preferindo retirar os salários dos professores e suas famílias”, e diz que “a greve continua até cessar a omissão do governo Fernando Pimentel e o autoritarismo dos professores João Canela e Antônio Avilmar e de suas equipes” finaliza.

NOTA DA UNIMONTES

Sobre o comunicado da Adunimontes, a Universidade Estadual de Montes Claros rebateu afirmando que, conforme o comunicado que já havia sido divulgado pela Reitoria da Unimontes, no dia 15 de julho “os professores designados para o primeiro semestre de 2016, independentemente de adesão à greve, terão os contratos finalizados em 31 de julho de 2016 conforme vigência estabelecida na designação. A data de início dos novos contratos coincidirá, necessariamente, com a data do calendário de reposições a ser apresentado/aprovado pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPEx)”.

Sobre o retorno as atividades, a universidade informou, em nota, que as turmas que não paralisaram as atividades encerrarão o primeiro semestre escolar em 22 de julho de 2016 e iniciarão o próximo semestre letivo em 3 de agosto de 2016.

No exercício da função pública e suas responsabilidades, a Gestão da Universidade Estadual de Montes Claros reitera a inexistência de qualquer tipo de ameaça ou ações arbitrárias. Todas as questões relacionadas às designações, assim como relacionadas às reivindicações durante o período de greve, são dialogadas de forma democrática com as representações docentes – finaliza a nota da Unimontes.