Inicio » Mais Seções » Beleza » Beleza – Inverno é a melhor época para fazer depilação a laser

Beleza – Inverno é a melhor época para fazer depilação a laser

Beleza – Inverno é a melhor época para fazer depilação a laser

Lívia Pino explica que tecnologia é uma das melhores invenções dos últimos tempos, porque consegue reduzir os pelos não só para fins estéticos, mas também ajuda no tratamento de algumas doenças como a foliculite.

Beleza - Inverno é a melhor época para fazer depilação a laser
Beleza – Inverno é a melhor época para fazer depilação a laser

 

Cada povo possui uma maneira diferente de se vestir, decorar seu corpo. E é um aspecto também cultural a forma como se lida com a questão dos pelos. Em geral, a mulher brasileira não gosta e muitas vezes se pergunta pra que tantos? É fundamental, no entanto, que se saiba que os pelos têm diversas funções, entre a elas a proteção. Parece um assunto de pouca relevância, mas não é. Algo aparentemente tão simples pode realmente ser relacionado a tantos aspectos da vida como tabu, autoestima e controle da sociedade. E a decisão de eliminar ou não os pelos é única e exclusivamente da mulher. Portanto, sem pressão.

 

 

Agora, se a escolha é ficar sem eles, temos à disposição quase um arsenal de guerra: gilete, cera, linha, pinça. Mas atualmente temos uma opção mil vezes melhor: o laser. Aliás, uma curiosidade, você sabia que Laser é uma sigla? Corresponde a Ligth Amplification by the Stimulated Emission of Radiation.

A médica dermatologista Livia Pino explica: “A maioria dos lasers usados em dermatologia não emitem radiação ionizante, e consequentemente, não oferecem riscos para o desenvolvimento de outras doenças. Outro conceito é que todo laser tem um alvo específico (e é este alvo que vai absorver a energia do laser). Quando falamos em depilação a laser o alvo em questão não é exatamente o pelo, mas sim a cor encontrada nos pelos. Por este motivo pelos brancos não são, em geral, removidos pelo laser.”

A primeira depilação a laser foi realizada por acaso, quando um cientista por um descuido expôs seu braço a um feixe de laser yag, e observou que ficou sem pelos após alguns dias. Desde então vários estudos foram feitos e o Food and Drugs Administration (FDA, a Anvisa dos Estados Unidos) aprovou o laser para depilação pouco tempo depois, lá pelo fim da década de 70.

“A depilação a laser, foi uma das melhores invenções dos últimos tempos, consegue reduzir os pelos não só para fins estéticos, mas também ajuda no tratamento de algumas doenças como a foliculite (aquela inflamação ao redor do folículo).”, destaca a especialista

Importante – o conceito de depilação definitiva é errado – Conseguimos com o laser a depilação permanente, ou seja, reduzimos significativamente o número dos pelos por pelo menos 6 meses após tratamento. E os pelos que sobram, em geral, ficam mais finos e mais claros. A dor do procedimento varia conforme o aparelho utilizado, a cor da pele do paciente, a região tratada e a quantidade de pelo.

“Mas em geral a dor é suportável e pode ser amenizada com uso de cremes anestésicos e gelo antes do procedimento. Costumo dizer para meus pacientes que é a “dor da beleza”. Indicado tanto para homens quanto para mulheres, para todos os tipos de pele (depende do aparelho) e diversas áreas do corpo. O número de sessões varia de acordo com o aparelho, o tipo de pelo e a área tratada. O mais importante é que você converse com seu dermatologista e é ele quem poderá indicar o melhor tratamento para você. O que posso dizer para é que sou fã da depilação a laser, mas, infelizmente, recebo muitos pacientes que tiveram complicações sérias e às vezes, até irreversíveis, pois realizaram o procedimento com profissionais não capacitados ou com indicação errada.”, orienta dra. Livia Pino.

 

 

Perfil – Livia Pino é médica dermatologista, membro efetivo da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Graduada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro-UFRJ, tem pós-graduação em Dermatologia pela Policlínica Geral do Rio de Janeiro. Livia atua ainda como professora da Faculdade de Medicina de Valença e Preceptora do ambulatório de Pós-Graduação em Dermatologia da Policlínica Geral do Rio de Janeiro.

Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeitosas e construtivas. O espaços abaixo são destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e e-mail valido).