Vaga no Bolso

Inicio » Educação » Brasil firma acordo com Espanha para a formação de professores

Brasil firma acordo com Espanha para a formação de professores

Brasil firma acordo com Espanha para a formação de professores

O Brasil firmou um acordo com a Espanha para formação de professores e gestores, intercâmbio de estudantes e docentes e promoção de pesquisa em educação. Nesta quinta-feira (8), o ministro da Educação, Rossieli Soares, e o embaixador da Espanha no Brasil, Fernando García Casas, assinaram um memorando de entendimento que prevê diversas ações de formação para difundir idioma e cultura, além de construir conhecimento em ambos países. A realização dos projetos terá apoio da Organização dos Estados Ibero-Americanos (OEI). 

Brasil firma acordo com Espanha para a formação de professores
Brasil firma acordo com Espanha para a formação de professores

 

“Nossas raízes linguísticas são muito próximas e temos muito a compartilhar. A língua não pode ser uma barreira. Temos muito conhecimento científico em ambos países. Temos muito a compartilhar sobre educação básica, formação de professores, gestão, e tantos outros pontos”, diz Soares.

O acordo prevê intercâmbio em áreas de formação docente e tecnologias pedagógicas; intercâmbio de estudantes de graduação, mestrado e doutorado; formação de docentes e pesquisadores; seminários, workshops e conferências, entre outras ações. A execução dependerá, segundo o texto assinado, da disponibilidade de recursos.

“O memorando será motor para a geração de conhecimento científico, para que sejam compartilhados não somente em inglês, mas em português e espanhol”, disse Casas. O embaixador ressalta que Brasil e Espanha já são próximos. Cerca de 150 mil espanhóis residem no Brasil e mais de 100 mil brasileiros estão na Espanha, segundo ele.

No âmbito da OEI, o acordo firmado está alinhado ao Programa Ibero-Americano de Difusão da Língua Portuguesa, que foi apresentado e aprovado pelos ministros de Educação dos países que compõem o grupo. “A nossa tarefa é, junto com os ministros de Educação dos países, executar tudo que é necessário para o projeto. Trabalhar com formação de docentes, propostas curriculares, com intercâmbio cultural”, diz o secretário-geral da OEI, Mariano Jabonero.

Espanhol nas escolas

A expectativa é que o projeto de cooperação seja expandido para outros países, sobretudo os países vizinhos do Brasil, o que possibilitará levar educação bilíngue para escolas de fronteira e para outras regiões do país. Segundo Soares, a intenção é oferecer essas aulas em cerca de 30 a 40 escolas de fronteira e, posteriormente, beneficiar regiões com altos índices de imigração, como São Paulo.

“É importante para que a gente conviva e aprenda com nossos vizinhos, da mesma forma, não só olhando para a língua, mas entendendo como funciona do outro lado, qual a história, cultura, aquilo que vem do povo”, diz Soares. Ao mesmo tempo que as escolas brasileiras terão a oferta de espanhol, as escolas dos demais países que participarem do projeto terão português.

O ministro diz que todos os países vizinhos do Brasil foram procurados. A experiência deve começar pela Colômbia. Nesta sexta-feira (9), o ministro visita a região de fronteira e reúne-se com representantes do governo colombiano. Argentina e Uruguai deverão ser os próximos a firmarem um acordo, segundo Soares.

Nova certificação 

Também para difundir a língua portuguesa, Soares diz que está em discussão uma nova certificação do idioma, que envolverá toda a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), grupo formado por Brasil, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

Atualmente, o Brasil tem o Certificado de Proficiência em Língua Portuguesa para Estrangeiros (Celp-Bras), do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), aplicado uma vez por ano.

“É interesse dos outros países que tenhamos também um processo de certificação mais amplo que fortaleça nossa língua”, diz o ministro. O Celp-Bras e demais certificações nacionais continuarão existindo. “Será como a língua inglesa, que tem diversas possibilidades de certificações diferentes, com origens diferentes e testagens diferentes. O que importa é qual instituição aceita a certificação”.

Aviso: Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.O espaço de comentários em nossos artigos é destinado a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não às pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou email válido).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *