Últimas Notícias

É possível investir fora do Brasil? Conheça as dicas

É possível investir fora do Brasil? Conheça as dicas

Em épocas de instabilidade econômica no país, é bastante comum ficar com receio de aplicar em investimentos financeiros nacionais, não é? Por essa razão, muitas pessoas deixam de investir e preferem manter o patrimônio em contas correntes ou mesmo na caderneta de poupança.

É possível investir fora do Brasil? Conheça as dicas

 

Infelizmente, nenhuma dessas opções é interessante para quem deseja multiplicar seu dinheiro. No entanto, existe uma alternativa vantajosa que, além de trazer rendimentos significativos, ainda pode diversificar e proteger a carteira de ativos: investimentos no exterior.

Ao contrário do que se pode imaginar, não é necessário ter uma grande reserva financeira para isso. Pequenos investidores também podem aplicar, em quantias menores, mas com igual segurança e a mesma possibilidade de bons rendimentos. Para isso, existem algumas dicas essenciais e bastante simples de serem seguidas.

Como investir no exterior?

De maneira geral, há duas formas básicas de se investir no exterior. A primeira delas é, simplesmente, abrir uma conta no lugar de interesse e, ao transferir recursos, negociar ativos desse país. O segundo meio é abrir uma conta em uma corretora brasileira e participar de fundos de investimentos em ativos estrangeiros.

É importante ressaltar que, apesar de haver dois métodos, a primeira opção pode carregar algumas armadilhas tributárias, pois existem impostos específicos, além de ser necessária a declaração de todos os valores à Receita Federal e, em caso de ultrapassar R$100 mil em investimentos, ainda é preciso fazer um comunicado ao Banco Central.

Sendo assim, esta é uma estratégia recomendada apenas a investidores com mais recursos disponíveis e bastante experiência e conhecimento financeiro, não apenas com relação às exigências e especificidades do mercado brasileiro, mas principalmente do país em que se pretende investir.

Por isso, para quem não é especialista, os fundos de investimentos estrangeiros são a opção mais indicada. Afinal, existe a possibilidade de aplicar em ativos com uma quantia menor de recursos e há o apoio estratégico total de um profissional especializado na administração de uma cesta de ativos rentável.

Quais são as opções de investimentos estrangeiros?

Como dito anteriormente, os fundos são uma excelente alternativa para quem deseja investir no exterior. No entanto, existem diferentes opções disponíveis e, por esse motivo, é preciso avaliar as particularidades das aplicações para, assim, encontrar aquela que mais condiz tanto com o perfil quanto com o objetivo de vida de cada um.

Fundos de ações que investem no exterior

As cotas desse tipo de fundo são investidas somente em aplicações estrangeiras. No entanto, é importante ressaltar que é sempre função do gestor identificar qual a melhor estratégia financeira e, por isso, a seleção dos ativos é feita por ele. Na maioria dos casos, é destinada somente para investidores qualificados, com aporte mínimo em torno de R$ 1 mil.

Fundos multimercado

Como o próprio nome sugere, são fundos que buscam diversificar as fontes de investimento. Assim, na carteira, existem ativos como ações, renda fixa, câmbio, etc. Por essa razão, possuem riscos menores e estratégias mais complexas, exigindo aportes iniciais altos, voltados para investidores qualificados.

ETFs (Exchange Traded Fund)

Os fundos de índice procuram acompanhar índices de referência do mercado de ações, como o Ibovespa. Para investir em ativos estrangeiros com ETF, é possível escolher um fundo que esteja atrelado a algum índice estrangeiro, ou um benchmark que contenha ativos estrangeiros em sua cesta, como o S&P 200, com as 500 principais empresas estadunidenses.

BDRs (Brazilian Depositary Receipts)

Os Certificados de Depósito de Valores Mobiliários, como também são conhecidos, são recibos de ativos de empresas do exterior negociados no país. São destinados a investidores qualificados, mas, em alguns casos, podem ser adquiridos por pequenos investidores também; é preciso estar atento a variação cambial, visto que as negociações são em real, mas a cotação, em dólar.

Existem riscos em investir no exterior?

Por serem ativos de renda variável, existe sim o risco de mercado inerente a essa classe de investimentos. Ou seja, há a possibilidade de se obter prejuízo durante a jornada, assim como existe a perspectiva de grandes rendimentos. O mais importante, então, é estar atento ao cenário internacional e saber quais são os melhores caminhos.

Um ponto interessante em investir no exterior é aplicar em moedas fortes, como o euro e o dólar, a fim de proteger o patrimônio contra a desvalorização do real que uma volatilidade brusca, ocasionada pela instabilidade político-econômica, pode ocasionar.

A administração do fundo feita por um gestor é uma proteção a mais que se possui ao investir em fundos de ativos estrangeiros. Ainda assim, uma boa dica é contar com o apoio de consultorias especializadas, possuir uma reserva financeira e considerar aplicações que tenham pouca ou nenhuma relação com a economia brasileira.