Últimas Notícias

Tudo que você precisa saber sobre o orgasmo feminino

Confira algumas informações surpreendentes e relevantes sobre o orgasmo das mulheres!

O sexo é uma prática originária, presente desde o início da espécie humana. Contudo, mesmo com uma maior abertura hoje para conversar sobre assuntos relacionados ao sexo, ainda existem muitos tabus nessa área.

Um deles é o orgasmo feminino. De acordo com um estudo desenvolvido pelo Departamento de Transtornos Sexuais Dolorosos Femininos da Universidade de São Paulo (USP), 55% das brasileiras não têm orgasmos durante o sexo. Isso mostra que ainda há pouca discussão e conhecimento sobre o funcionamento do corpo feminino e dos meios para a mulher ter orgasmos.

A preocupação com a saúde sexual e vaginal da mulher é bastante importante nesse sentido. Cuidar bem da região íntima é importante para garantir a saúde dessa área e, assim, facilitar a ocorrência dos orgasmos. Além de roupas mais confortáveis, é bom ter uma boa calcinha para menstruação para absorver o fluxo menstrual com mais segurança e conforto. Confira mais sobre o orgasmo feminino!

Vários tipos

Ainda é comum associar o orgasmo à penetração. Contudo, o corpo das mulheres é potente e possui diversas zonas erógenas e mecanismos que conferem prazer.

A mulher pode ter orgasmo a partir da estimulação dos seios e do clitóris (pequeno órgão erétil localizado na parte mais anterior da vulva, que se projeta entre os pequenos lábios), além do sexo anal.

Outra diferença em relação aos homens é que as mulheres podem ter vários orgasmos de forma consecutiva — o chamado “orgasmo múltiplo”. Ou seja: as mulheres podem chegar ao orgasmo e continuarem transando.

Fisiologia

Outra coisa bastante importante é que as mulheres costumam demorar mais para atingir o orgasmo em comparação aos homens. Isso acontece porque a vagina precisa receber 200 ml de sangue para ficar completamente excitada, enquanto o pênis só precisa de 10 ml.

Outra diferença fisiológica relevante é que o orgasmo feminino pode gerar uma descarga elétrica de até 244 milivolts e pode durar entre 10 e 23 segundos (tempo maior do que a média do orgasmo masculino).

Estimular a libido  

O sexo não se limita à penetração vaginal e é uma experiência que envolve carícias, beijos, confiança, curiosidade e diferentes jeitos de obter prazer (como o sexo oral e a estimulação do clitóris). É importante ter em mente que o sexo e a obtenção de orgasmo não se limitam à penetração e também envolve inúmeras áreas erógenas, como o pescoço, as orelhas, os seios, o interior das coxas, virilha, lábios, entre outros.

Quando falamos de libido sexual, é importante considerar como cada pessoa é estimulada sexualmente. Enquanto algumas preferem mensagens e conversas picantes, outras adoram curtir um filme mais erótico com o(a) parceiro(a). É importante saber o que te dá mais tesão e comunicar isso.

É importante ter em mente que uma relação sexual é uma troca e ambos precisam buscar o seu prazer e o prazer do próximo. Se o ato sexual termina quando uma das pessoas goza e a outra não, isso vai proporcionar mal-estar e insatisfação, o que pode gerar falta de confiança e abalar a autoestima.

Outro fator importante é o modo como as mulheres lidam com os seus corpos. Em uma sociedade que tem a magreza como o padrão de beleza aceito, mulheres que não estão nesse padrão podem ter mais dificuldades em ter orgasmos por sentirem vergonha do seu corpo e não conseguirem relaxar durante a transa.

As crenças negativas sobre sexo também tem um impacto relevante durante o sexo — e, consequentemente, sobre o orgasmo também. Os pensamentos de que “sexo é sujo” e “mulheres com muitos parceiros não merecem respeito” ainda são muito presentes, o que também dificulta à mulher relaxar durante o sexo e falar o que ela gosta mais, já que tem medo de ser julgada.

Masturbação

Uma das ideias mais disseminadas pelo senso comum é a de que a masturbação dificulta o sexo com o(a) parceiro(a). Na verdade, ocorre justamente o contrário: mulheres que se masturbam criam mais intimidade sobre o próprio corpo e descobrem os toques e sensações que lhes causam mais prazer, o que é fundamental na hora do ato sexual.

Esse conhecimento pode ser compartilhado com o(a) parceiro(a) para que o sexo seja mais proveitoso. Na hora da masturbação, você pode usar os dedos ou vibradores. O melhor é testar diferentes técnicas para diversificar as suas possibilidades de sentir prazer.