Vaga no Bolso

Inicio » Internacional » Ásia » Coreias iniciam ‘nova história’ com promessa de buscar a paz

Coreias iniciam ‘nova história’ com promessa de buscar a paz

Coreias iniciam ‘nova história’ com promessa de buscar a paz

Os dirigentes das duas Coreias se comprometeram nessa sexta-feira (27/04/2018) a trabalhar pela eliminação das armas nucleares da península e por uma paz permanente, durante uma cúpula histórica na Zona Desmilitarizada.

Clima amistoso entre Kim e Moon na assinatura do acordo que prevê a eliminação das armas nucleares
Clima amistoso entre Kim e Moon na assinatura do acordo que prevê a eliminação das armas nucleares

 

Após um aperto de mão simbólico na fronteira com o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, o líder norte-coreano, Kim Jong Un, afirmou que a Coreia está “no início de uma nova história”. Kim disse ter se sentido “embargado pela emoção” ao cruzar a linha de cimento e se tornar o primeiro dirigente norte-coreano a pisar em território sul-coreano desde a Guerra da Coreia (1950-1953).

“Coreia do Sul e Coreia do Norte confirmam o objetivo comum de obter, por meio de uma ‘desnuclearização’ total, uma península coreana não nuclear”, diz a Declaração de Panmunjom, publicada após a reunião. Após a assinatura do texto, que proclama que “não haverá mais guerra na península da Coreia”, Kim e Moon se abraçaram, ao final de um dia de demonstrações de amizade.

Em uma cerimônia de despedida, os dois homens viram imagens de seu encontro reproduzidas em um espetáculo de luz e som, parados e de mãos dadas durante vários minutos. Depois disso, Kim voltou a cruzar a fronteira e foi para a Coreia do Norte. Em imagens transmitidas pela televisão, ele foi visto saudando de seu veículo os anfitriões na Zona Desmilitarizada.

Os dois vizinhos disseram querer se reunir com os Estados Unidos e, talvez, também com a China – signatários do armistício que acabou com a guerra há 65 anos – “visando declarar o fim da guerra e estabelecer um regime de paz permanente e sólido” na península. Por falta de um tratado de paz, tecnicamente os dois vizinhos continuam em guerra.

Essa cúpula histórica foi elogiada por várias capitais estrangeiras. A China saudou a “coragem” de Kim e Moon; o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, falou da “passagem positiva para uma resolução em conjunto de várias questões relativas à Coreia do Norte”; e o Kremlin celebrou “notícias muito positivas”.

O presidente americano, Donald Trump, saudou o encontro, embora tenha declarado que “o tempo dirá” se os resultados foram bons.Além disso, afirmou a jornalistas que não será “manipulado” pelo líder norte-coreano em seu encontro, para o qual estão analisando “duas ou três sedes” onde poderá ser organizado.

Para a Otan, esta cúpula “é um primeiro passo. É encorajador, mas temos que compreender que resta muito trabalho difícil à frente”.

As duas Coreias se coordenarão estritamente para assegurarem que não “repetirão o passado desafortunado que viu como os acordos intercoreanos anteriores não davam em nada”, declarou Kim Jong Un.

Esperança para famílias separadas 

Outra medida simbólica é a decisão de retomar em agosto as reuniões das famílias que ficaram divididas pela guerra. Os acontecimentos desta sexta-feira são a última e mais forte amostra desta excepcional distensão surgida na península desde que Kim anunciou, surpreendendo a todos, em 1º de janeiro, que seu país participaria dos Jogos Olímpicos de Inverno organizados pelo Sul.

Desde que chegou ao poder, no final de 2011, Kim liderou uma fulgurante aceleração dos programas nuclear e balístico norte-coreanos. Em 2017, Pyongyang realizou seu teste nuclear mais potente até a data e testou mísseis balísticos intercontinentais, alcançando a capacidade de chegar a território americano.

Em uma primeira amostra da distensão intercoreana, Moon cruzou brevemente, diante do convite surpresa de Kim, para o lado norte-coreano da fronteira. Depois se dirigiram à Casa da Paz, na parte de Panmunjom.

Aviso: Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.O espaço de comentários em nossos artigos é destinado a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não às pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou email válido).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *