PÓS-GRADUAÇÃO PUC MINHAS em MONTES CLAROS

Obtenha mais clientes com a sua ficha do Google
Inicio » Montes Claros » Cultura MOC » Entrevistas Sem Frescuras e sem Censura » Montes Claros – Entrevista: Hesíodo José

Montes Claros – Entrevista: Hesíodo José

Montes Claros – Entrevista: Hesíodo José

Entrevistado por Adilson Cardoso Repórter de Arte e Cultura

Hesíodo José sem frescura e sem censura

Hesíodo José
Hesíodo José

Ele chegou manso. Algumas interrogações na cabeça do redator do jornal, “será que vai dar certo?” publicou nas primeiras semanas com um índice modesto de leitores, hoje após quase dois anos é quase sempre o mais lido. De temas populares a outros altamente polêmicos esse cara é a irreverência em pessoa. Por isso a pedido de Samuel Malveira nosso leitor tocador de contrabaixo, que mandou e-mail dizendo, “Cara faça uma entrevista com o Hesíodo José para a galera conhecê-lo melhor!” Hoje nosso papo sem Frescura e Sem censura é com este colega sorridente e humorado o tempo todo.

Adilson Cardoso: Companheiro Hesíodo é um privilégio fazer esta dissecção na sua vida, então vamos começar bem direto, quem é Hesíodo José?

Hesíodo José: Prazer é meu Adilson. Hesíodo José é um cara escrevedor de livros com alguns prêmios conquistados Brasil a fora, mas ganho o sustento da família em uma lojinha de antiguidades. Pai de quatro filhos e marido de uma esposa dedicada a dar aulas de piano no Conservatório. Adoro ler gibis, Walt Disney e Turma da Monica, fã dos irmãos Metralhas, Escoteiros Mirins e Professor Pardal.

AC: Já conversamos diversas vezes sobre isto, mas é interessante recordar, por você usar uma figura diferente como capa da coluna, muitas pessoas acharam que eu seria você, qual foi à abordagem mais curiosa que te fizeram?

HJ: Ah (Risos) claro, você sabe.  Foi nas primeiras publicações de Fragmentos Diários, eu dava minha versão de um caso ocorrido na Alemanha, onde uma mulher casada com um cara bissexual deixava que o namorado do marido morasse na mesma casa e dormisse na mesma cama com ela. Uma senhora cheia de bons modos e maldade na língua, mandou e-mail dizendo sabia que eu era você e que usava de nome falso para dizer aquilo que não tinha coragem.

AC: Conta um pouquinho sobre os Fragmentos Diários por que aumentar e também inventar?

HJ: A idéia surgiu em BH quando escrevia em um jornal pequenas notas sobre cinema. O redator era chato e cobrava em excesso, como não ganhava o suficiente para viver só daquilo, precisava ganhar tempo para outras atividades, na época dava aulas de História. Então ás vezes não assistia direito ao filme que ia comentar ou de jeito nenhum, jogava na internet e procurava os resumos para facilitar. Um dia dei azar de um critico, dessas bichonas que vivem a falar merda, ler o comentário e ter a audácia de ligar na redação pedindo minha cabeça, no final ele disse “É tão ruim que aumenta e também inventa”.

AC: Como chegou ao Jornal Montes Claros?

HJ: Em Belo Horizonte eu já conhecia o Jornal, bem feito, bem lido. Quando cheguei aqui na cidade vi que a coisa era ainda mais grandiosa, com noticias simultâneas ao acontecido, pessoas comentando nos bares. Então fiz um contato com Juan para escrever um artigo sobre Millor Fernandes um dos caras mais intensos do Jornalismo Brasileiro que se fora em 2012. Usei do humor inteligente do próprio Millor e o povo adorou. Fiz uns esquemas de free-lance até acertarmos a página para falar apenas de humor. Ou melhor, segundo o Juan seria a válvula de escape.

AC: Você conhece a frase do saudoso Jornalista e Dramaturgo Reginauro Silva, Montes Claros, cidade da arte e da cultura, qual a sua opinião?

HJ: Bem Adilson, penso que há dois modos de interpretar o dito. Montes Claros é a cidade da arte e da cultura no sentido de ser um berço produtor, muitos artistas famosos, outros se engatinhando por aqui. Porém o outro modo é aquele hipócrita, se por um lado a cultura emerge naturalmente do povo o poder público não se movimenta a altura para respaldar.

AC: Voltando ao trabalho, qual a sua inspiração para escrever tanta loucura?

HJ: (Risos) Cara, eu leio muita coisa trash. Aquelas leituras que os “frescos” metidos a intelectuais dizem que não são leituras dignas como; piadas, pornografias, noticias de atores de televisão, resultados de exames de fezes e etc… Sou fã do Millor Fernandes e do Zé Simão da Band News.

AC: Quem é a figura que você usa como foto de apresentação da página?

HJ: Chamava-se Manaíba, um senhor que vivera no inicio do século em Belo Horizonte. Não se sabe o que fizera, nem por que tinha uma foto dele na internet, isto me atraiu.

AC: Obrigado companheiro e que o sucesso continue, nos deixe uma mensagem de amor e humor!

HJ: Obrigado a você Adilson Cardoso, parabéns pelo seu trabalho também, adoro suas crônicas, obrigado ao Dom Juan pela parceria.

“Quando sentires vontade de cagar a noite, não tentes dormir para fazer no outro dia. Às vezes é nos sonhos que acontece a cagada!”

 

Aviso: Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto e esperamos que as conversas nos comentários de artigos do JORNAL MONTES CLAROS sejam respeitosas e construtivas.Os espaços de comentários em nossos artigos são destinados a discussões, debates sobre o tema e críticas de ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão tolerados de maneira nenhuma e nos damos ao direito de ocultar/excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, preconceituoso, calunioso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem nome completo e/ou e-mail válido)



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *